Mercado abrirá em 5 h 40 min
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,74 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,90
    +2,75 (+4,04%)
     
  • OURO

    1.797,10
    +9,00 (+0,50%)
     
  • BTC-USD

    57.388,96
    +3.103,11 (+5,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.432,66
    -22,75 (-1,56%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,06 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    23.839,79
    -240,73 (-1,00%)
     
  • NIKKEI

    28.283,92
    -467,70 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.215,50
    +164,50 (+1,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3016
    -0,0469 (-0,74%)
     

Aumento da produtividade na Europa durante pandemia pode perder força, mostra estudo do BCE

·1 min de leitura
neFábrica da ThyssenKrupp AG em Duisburg, Alemanha

FRANKFURT (Reuters) - O crescimento da produtividade do trabalho na zona do euro saltou no início da pandemia uma vez que as empresas correram para se adaptar a tecnologias digitais, mas a maior parte dos ganhos corre o risco de corrosão, mostrou nesta quarta-feira estudo do Banco Central Europeu.

O aumento da produtividade na Europa foi anêmico por anos, contendo a expansão econômica geral, e alguns economistas esperavam que a rápida adaptação a soluções digitais devido à pandemia de Covid-19 poderia se manter.

Dados até agora sugerem que isso está acontecendo já que a produtividade está agora mais de 2% acima daquela vista no último trimestre de 2019, mesmo que tenha recuado um pouco desde o início da recuperação, disse o BCE em artigo do Boletim Econômico.

"A pandemia acelerou a tendência para digitalização que já havia começado bem antes da crise", disse o BCE.

"Embora parte da mudança para o trabalho remoto possa ser revertida ao longo do tempo, parte deve persistir ... e pode potencialmente abrir a porta para ganhos substanciais em termos de produtividade e bem-estar do empregado", completou o BCE.

Mas a mudança não será livre de riscos.

Diferente de outras crises, a pandemia ainda não levou a um fechamento em massa de empresas de baixa produtividade já que garantias do governo mantêm as empresas vivas, interrompendo o que normalmente é um processo de "destruição criativa", completou o BCE.

A redistribuição da força de trabalho para setores mais produtivos também pode se reverter.

Conforme as medidas de contenção forçaram as empresas a acabar com muitas interações pessoais, normalmente tarefas de baixa produtividade, a atividade foi redistribuída, respondendo por 30% a 40% do aumento da produtividade, disse o BCE.

(Reportagem de Balazs Koranyi)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos