Mercado fechado

Aumento de casos de covid-19 nos EUA penaliza bolsas de Nova York

Victor Rezende

Os negócios nos mercados acionários americanos foram marcados por um forte sentimento de aversão a risco e a percepção de que, com a retomada a atividade econômica, o número de infecções pelo novo coronavírus voltou a acelerar em algumas regiões nos Estados Unidos impôs queda firme às bolsas em Nova York. Rumores de que novos embates tarifários envolvendo os EUA podem estar a caminho também contribuíram para as perdas dos mercados, em um dia no qual nenhum setor foi poupado.

Na Bolsa de Valores de Nova York (Nyse), o índice Dow Jones encerrou o dia em queda de 2,72%, aos 25.445,94 pontos, enquanto o S&P 500 recuou 2,59%, para 3.050,33 pontos. Já o índice eletrônico Nasdaq abandonou a marca simbólica dos 10 mil pontos e cedeu 2,19%, para 9.909,17 pontos.

Logo pela manhã, a notícia de que o governo de Donald Trump cogita impor tarifas a US$ 3,1 bilhões em produtos da UE e do Reino Unido já pesava no humor dos mercados. Ao longo do dia, porém, o aumento expressivo no número de casos da covid-19 nos EUA começou a assustar ainda mais os investidores. Na Califórnia e na Flórida, o número de novos infectados nas últimas 24 horas teve alta expressiva, enquanto o Texas viu um aumento de 7,3% no número de hospitalizações.

Diante da indicação de que a atividade econômica pode voltar a sofrer como consequência da disseminação do novo coronavírus pelos EUA, as ações foram penalizadas. O subíndice financeiro do S&P 500 cedeu 3,51%, para 382,51 pontos, no momento em que os agentes do mercado também aguardam os resultados dos testes de estresse do Federal Reserve, cujos resultados são previstos para amanhã. Hoje, os papéis do Bank of America recuaram 3,95% e os do Citigroup caíram 4,04%.

Com os sinais de que a atividade pode sofrer novas paralisações, os preços do petróleo não resistiram e sofreram um tombo de mais de 5% em Nova York, o que afetou as ações de companhias do setor de energia, cujo subíndice do S&P 500 despencou 5,54%. A Chevron viu seus papéis caírem 4,16%, enquanto a ação da ExxonMobil recuou 4,71% e a da ConocoPhillips despencou 6,44%.