Mercado fechará em 3 h 13 min
  • BOVESPA

    101.160,70
    -99,05 (-0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.366,78
    -340,94 (-0,88%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,55
    -1,30 (-3,26%)
     
  • OURO

    1.905,10
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    13.029,95
    -47,06 (-0,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,17
    -3,24 (-1,23%)
     
  • S&P500

    3.397,68
    -67,71 (-1,95%)
     
  • DOW JONES

    27.665,82
    -669,75 (-2,36%)
     
  • FTSE

    5.811,26
    -49,02 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.494,34
    -22,25 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    11.477,50
    -186,00 (-1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6479
    -0,0160 (-0,24%)
     

Aumento de alíquota para chapas de alumínio pelos EUA inviabiliza exportação, diz Abal

Ana Paula Machado
·2 minutos de leitura

Governo americano anunciou hoje um adicional nas tarifas do produto importado do Brasil e outros 17 países A decisão do governo americano de aumentar preliminarmente as alíquotas de chapas de alumínio importadas para 18 países pode inviabilizar as exportações dos produtos brasileiros, avalia Milton Rego, presidente da Associação Brasileira do Alumínio (Abal). O Departamento de Comércio dos Estados Unidos informou hoje que as alíquotas das chapas importadas do Brasil terão um adicional variando de 49,48% e 136,78%. Atualmente, em função da Seção 232, os exportadores brasileiros pagam uma taxa de cerca de 15% no mercado americano. “Os EUA atiram primeiro e perguntam depois. É isso o que eles estão fazendo do ponto de vista do comércio internacional. Com a justificativa de defesa da indústria nacional, tomam ações protecionistas que começou com a 232. O que fizeram agora é pior do que a 232. Inviabiliza as exportações brasileiras para aquele mercado”, disse Rego. Segundo ele, os EUA são, atualmente, o principal destino das chapas de alumínio brasileiras. No ano passado, os embarques somaram 31,52 mil toneladas. “Até meados do próximo ano, essas serão as alíquotas que os exportadores terão que pagar no mercado americano. E o governo brasileiro e as empresas já enviaram todos os documentos necessários para provar que não há práticas de dumping”, ressaltou o dirigente. A nova medida do governo americano, segundo Rego, pode aumentar o excesso de produção no mercado mundial. “Essa medida é um desdobramento da guerra comercial entre Estados Unidos e China. Restringindo os produtos chineses, o mercado americano começou a comprar de outros países. Com isso, as exportações brasileiras para os EUA aumentaram em 2018 e 2019. Ocorreu uma substituição da origem.” Milton Rego, presidente executivo da ABAL (Associação Brasileira de Alumínio), classifica decisão dos EUA de protecionista Nilani Goettems/Valor