Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.333,97
    +505,83 (+0,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Aumenta risco de recessão técnica no Brasil, alerta Rio Bravo

·2 minuto de leitura
Centro do Rio de Janeiro

SÃO PAULO (Reuters) - Um cenário de recessão técnica começa a se desenhar no Brasil, com um quadro "desanimador" para a atividade após perda de vigor no fim do primeiro trimestre, enquanto o país deve conviver com uma situação sanitária "ainda muito difícil" até junho, disse a gestora Rio Bravo em nota.

A Rio Bravo prevê queda de 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB) entre janeiro e março e estabilidade da economia no segundo trimestre, mas ressalvou haver "probabilidade elevada" de nova retração, movimento que empurraria o Brasil a uma recessão técnica exatamente um ano depois da registrada após a eclosão da pandemia.

A definição clássica de recessão técnica é de dois trimestres consecutivos de contração econômica.

"O ambiente de retração econômica e inflação que o Brasil vive atualmente deve perdurar durante grande parte deste primeiro semestre", disse a gestora, lembrando os impactos econômicos da pandemia e que com as medidas atuais a queda no número de casos e mortes será "apenas gradual".

"O Brasil conviverá com uma situação de saúde ainda muito difícil no segundo trimestre."

O PIB do primeiro trimestre será divulgado pelo IBGE em 1º de junho; o do segundo trimestre, apenas em 1º de setembro. O PIB subiu 3,2% nos três meses finais de 2020, mas no ano contraiu 4,1%, maior queda em 25 anos.

Considerada crucial para a recuperação da atividade, a vacinação nacional tem ocorrido em meio a um cenário "incerto", na avaliação dos profissionais da Rio Bravo, que destacaram, contudo, que o ritmo de imunização está melhorando e que em seus cálculos até julho o país terá vacinado os maiores de 60 anos e/ou com comorbidades.

Com isso, a casa espera um controle mais efetivo da mortalidade e da ocupação hospitalar, o que permitiria a retomada da reabertura da economia.

"Esse processo, contudo, deve ocorrer de forma gradual e encerrará somente em 2022", ponderaram.

Do lado fiscal, os profissionais chamaram atenção para o texto do Orçamento aprovado pelo Congresso, que trouxe subestimação de despesas obrigatórias, "em uma clara desobediência à Lei de Responsabilidade Fiscal", disseram.

"Além de um possível crime de responsabilidade do presidente (da República), a probabilidade de algum serviço público ser paralisado, ou mesmo de o teto de gastos ser rompido, aumentou consideravelmente, o que contribuiu para um ambiente de risco elevado."

(Por José de Castro)