Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.885,04
    -455,42 (-1,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Auditoria do TCU corrige 15 mil irregularidades em pagamentos de servidores da União

·1 minuto de leitura

Uma auditoria realizada pelo Tribunal de Contas da União (TCU) em busca de irregularidades em folhas de pagamento de órgãos e entidades federais resultou na correção de 14.933 situações ilegais, o que gerou economia de mais de R$ 386 milhões anuais aos cofres públicos.

Segundo o relatório da auditoria, ao qual a coluna teve acesso, foram analisadas informações financeiras de 2,6 milhões de servidores ativos, aposentados e pensionistas vinculados a 603 unidades, todas listadas no documento. Em 332 delas, havia irregularidades nas folhas de pagamento de janeiro de 2020 a março deste ano. A fiscalização não especificou em quais órgãos e entidades os problemas foram encontrados.

Outros 176.329 indícios de ilegalidade seguem em apuração. Considerando a taxa de sucesso na detecção e na correção dos erros, estima-se que a União ainda possa poupar R$ 1,8 milhão ao ano.

O TCU fiscaliza continuamente as folhas de pagamento de unidades da administração federal por meio do cruzamento de bases de dados públicas. Nessa auditoria, o volume de recursos examinado superou o montante de R$ 27 bilhões ao mês, referentes às despesas com a remuneração de 1,6 milhão de ativos, 727 mil inativos e 424 mil pensionistas.

Entre os órgãos e entidades que tiveram dados acompanhados, estão Banco do Brasil, Petrobras, Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Presidência da República, Senado Federal, Câmara dos Deputados, Supremo Tribunal Federal, ministérios e conselhos profissionais de diversos estados. Também figuram na lista instituições de ensino e pesquisa, como Fiocruz e universidades federais, a exemplo de UFRJ, Unirio e UFF.