Mercado fechará em 4 h 30 min
  • BOVESPA

    112.975,98
    -56,00 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.749,08
    +110,72 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,14
    -2,27 (-2,54%)
     
  • OURO

    1.790,20
    -7,90 (-0,44%)
     
  • BTC-USD

    23.799,60
    -338,18 (-1,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    566,78
    -5,14 (-0,90%)
     
  • S&P500

    4.299,29
    +2,15 (+0,05%)
     
  • DOW JONES

    34.088,15
    +175,71 (+0,52%)
     
  • FTSE

    7.542,85
    +33,70 (+0,45%)
     
  • HANG SENG

    19.830,52
    -210,34 (-1,05%)
     
  • NIKKEI

    28.868,91
    -2,87 (-0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.616,50
    -64,75 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2313
    +0,0528 (+1,02%)
     

Auditores falam em acirramento após reunião "frustrante" com Guedes

·1 min de leitura
Ministro da Economia, Paulo Guedes

BRASÍLIA (Reuters) - Representantes de auditores fiscais que se reuniram com o ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta quinta-feira, deixaram o encontro frustrados com a não apresentação de uma solução sobre o pagamento do bônus de eficiência reivindicado pela categoria, e falaram em acirramento do movimento de protesto.

A decisão dos auditores representa mais um impasse a ser enfrentado pelo governo, que está tendo de administrar reações de várias categorias de servidores públicos após o Congresso Nacional aprovar, com o aval do presidente Jair Bolsonaro, uma verba específica no Orçamento deste ano para contemplar reajustes salariais apenas para funcionários da área de segurança pública federal, como a Polícia Federal.

A iniciativa de Bolsonaro levou uma série de categorias a protestar por aumentos e a entregar cargos de chefia, além de programar paralisações a partir deste mês, o que pode até culminar em uma greve geral.

O presidente do Sindifisco Nacional, Isac Falcão, disse na saída do encontro com Guedes que a reunião não atendeu às expectativas e que o movimento deverá se acirrar nos próximos dias.

"O ministro se manifestou no sentido de compreender o pleito e achar justo, mas disse que não pode dar um prazo para sua implementação e entende que esse não é o momento para a solução dessas questões", disse.

"Realmente não há perspectiva de solução num curto prazo e a perspectiva é de acirramento do movimento dos auditores da Receita Federal", reforçou.

O Ministério da Economia disse que não vai comentar a reunião.

Auditores dizem que essa bonificação está prevista em lei há mais de cinco anos, mas é preciso editar um decreto --que precisa passar pelo Congresso-- para que seja implementada.

(Reportagem de Marcela Ayers e Ricardo Brito)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos