Mercado abrirá em 3 h 44 min
  • BOVESPA

    113.812,87
    +105,11 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.729,80
    -4,24 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,40
    -1,10 (-1,22%)
     
  • OURO

    1.766,60
    -4,60 (-0,26%)
     
  • BTC-USD

    21.740,30
    -1.710,79 (-7,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    516,29
    -41,44 (-7,43%)
     
  • S&P500

    4.283,74
    +9,70 (+0,23%)
     
  • DOW JONES

    33.999,04
    +18,72 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.533,52
    -8,33 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    19.773,03
    +9,12 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.930,33
    -11,81 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    13.397,25
    -126,00 (-0,93%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2294
    +0,0156 (+0,30%)
     

Audi retoma produção de carros em fábrica paranaense

SÃO JOSÉ DOS PINHAIS, PR, 29.06.2022 - Linha de produção da Audi em São José dos Pinhais, onde são montados os modelos Q3 e Q3 Sportback. (Foto: Eduardo Sodré/Folhapress)
SÃO JOSÉ DOS PINHAIS, PR, 29.06.2022 - Linha de produção da Audi em São José dos Pinhais, onde são montados os modelos Q3 e Q3 Sportback. (Foto: Eduardo Sodré/Folhapress)

SÃO JOSÉ DOS PINHAIS, PR (FOLHAPRESS) - A Audi retomou a produção na fábrica de São José dos Pinhais, no Paraná, que faz parte do complexo industrial do grupo Volkswagen.

A reinauguração oficial ocorreu nesta quarta (29), mas os veículos começaram a ser montados há uma semana. Há 200 funcionários na unidade.

Foram investidos R$ 100 milhões para reativar a linha, que agora produz os utilitários esportivos Q3 e Q3 Sportback.

Os carros têm motor 2.0 turbo (231 cv) e tração nas quatro rodas. O câmbio é automático, com oito marchas. Os preços partem de R$ 316 mil.

A fábrica paranaense tem capacidade para produzir 4.000 carros por ano, em dois turnos. Por enquanto, todos as unidades serão voltadas para o mercado interno, e a marca espera montar 1.500 unidades até o fim deste ano.

Embora sejam considerados carros nacionais —a gravação do chassi é feita no país—, os componentes dos Q3 são importados. Em nota, a montadora explica que os modelos chegam ao Porto de Paranaguá divididos em conjuntos de peças e partes vindos da fábrica de Györ, na Hungria.

Esse sistema chama-se SKD (Semi Knock Down), que significa que os veículos vêm parcialmente montados pra o Brasil. O método reduz a alíquota do Imposto de Importação de 35% para 18%. As carrocerias já chegam pintadas.

A produção brasileira havia sido interrompida no fim de 2020. Na época, a Audi anunciou que só retomaria a montagem local de seus carros caso recebesse os créditos tributários retidos no governo.

O valor, contudo, ainda não foi pago. Estima-se que a montadora alemã tenha R$ 200 milhões a receber. "Temos de entender o momento em que o mundo vive, mas há uma indicação positiva de que teremos um dispositivo legal [para receber o valor retido]", diz Antonio Calcagnotto, diretor de assuntos institucionais e sustentabilidade da Audi do Brasil.

Esse é o terceiro ciclo de produção da Audi no Brasil. O primeiro ocorreu entre 1999 e 2006, com a montagem do hatch médio A3.

Anos depois, com o programa Inovar-Auto, a montadora montou o A3 Sedan em São José dos Pinhais. Esse período durou de 2015 a 2020 e incluiu a montagem da geração passada do Q3.

Embora os modelos feitos agora no Brasil sejam movidos a gasolina, a a marca confirmou também um investimento de R$ 20 milhões na instalação de pontos de recarga para carros elétricos.

A Audi comercializa no país modelos da linha e-Tron, em versões cupê e SUV. Todos são 100% movidos a eletricidade.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos