Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,48 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,98 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,43
    -4,06 (-4,86%)
     
  • OURO

    1.651,70
    -29,40 (-1,75%)
     
  • BTC-USD

    18.930,71
    -239,73 (-1,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    434,61
    -9,92 (-2,23%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,27 (-1,62%)
     
  • FTSE

    7.018,60
    -140,92 (-1,97%)
     
  • HANG SENG

    17.933,27
    -214,68 (-1,18%)
     
  • NIKKEI

    27.153,83
    -159,30 (-0,58%)
     
  • NASDAQ

    11.388,00
    -177,50 (-1,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0976
    +0,0649 (+1,29%)
     

Audi anuncia entrada na Fórmula 1

A manhã de sexta-feira (26), véspera dos treinos oficiais para o Grande Prêmio da Bélgica de Fórmula 1, foi marcada por uma notícia bombástica: a entrada da Audi na principal categoria do automobilismo mundial a partir de 2026.

O presidente do Conselho de Administração da AUDI AG, Markus Duesmann, e o membro do Conselho de Administração para Desenvolvimento Técnico, Oliver Hoffmann, participaram de uma entrevista ao lado do presidente e CEO da Fórmula 1, Stefano Domenicali, e do presidente da Federação Internacional do Automóvel (FIA), Mohammed ben Sulayem, e divulgaram a novidade.

"O automobilismo é parte integrante do DNA da Audi, e a Fórmula 1 é um palco global para nossa marca e um laboratório de desenvolvimento altamente desafiador", celebrou Duesmann. "A combinação de alto desempenho e competição é sempre um motor de inovação e transferência de tecnologia em nossa indústria. Com as novas regras, agora é o momento certo para nos envolvermos. Afinal, a Fórmula 1 e a Audi buscam objetivos claros de sustentabilidade", completou.

O objetivo de sustentabilidade citado por Duesmann é referência às regras técnicas que entrarão em vigor na temporada 2026, que preveem motorizações com foco maior em eletrificação e combustível sustentável.

Audi confirmou que fornecerá motores para a Fórmula 1 a partir de 2026 (Imagem: Divulgação/Audi)
Audi confirmou que fornecerá motores para a Fórmula 1 a partir de 2026 (Imagem: Divulgação/Audi)

Oliver Hoffmann reforçou o discurso e previu uma "alta sinergia" entre o que a Fórmula 1 está buscando e o que a Audi está disposta a desenvolver para entrar no cobiçado circuito.

“Em vista dos grandes saltos tecnológicos que a série está dando em direção à sustentabilidade em 2026, podemos falar de uma nova Fórmula 1. A Fórmula 1 está se transformando e a Audi quer ativamente apoiar esta jornada. Uma estreita ligação entre o nosso projeto de Fórmula 1 e o departamento de Desenvolvimento Técnico da AUDI AG permitirá sinergias.”

Motor será desenvolvido na Alemanha

A entrada da Audi na Fórmula 1 será marcada por algo até então inédito nos últimos tempos: pela primeira vez na década, um motor para carros da categoria será desenvolvido na Alemanha. Os da Mercedes, que assim como a Audi tem origem germânica, são fabricados e desenvolvidos na Inglaterra.

A responsável pelo desenvolvimento dos motores que estarão nas pistas em 2026 será a Audi Sport, com sede em Neuburg, cidade não muito distante da sede da AUDI AG, em Ingolstadt.

Não há qualquer indício de que a Audi queira colocar um carro próprio no grid da F1 (Imagem: Divulgação/Audi)
Não há qualquer indício de que a Audi queira colocar um carro próprio no grid da F1 (Imagem: Divulgação/Audi)

Equipe própria ou parceria?

A Audi, pelo menos a princípio, não tem nenhuma conversa sobre colocar uma equipe própria no grid da Fórmula 1. A pergunta que fica, então, é sobre qual equipe será a escolhida para estrear os motores da montadora alemã em 2026. Por enquanto, os comentários mais fortes são de que a escolhida será a Sauber. As empresas estariam acertando o modelo de parceria, que começaria com a empresa alemã comprando 25% dos blocos da equipe ainda em 2022, chegando a 75% em 2025.

A McLaren também chegou a ser cogitada como futura parceira da Audi, mas não se animou com a exigência de ter que ceder o controle acionário para a Volkswagen (dona da Audi) e, por isso, teria recuado nas conversações.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: