Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    43.288,64
    +602,51 (+1,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Audiências de extradição de diretora da Huawei são retomadas no Canadá

·1 minuto de leitura
A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, deixa sua casa para ir à Suprema Corte da Colúmbia Britânica, em Vancouver, Canadá, em 4 de agosto de 2021

As últimas audiências no processo de extradição de uma diretora da gigante chinesa Huawei começaram nesta quarta-feira (4) em Vancouver, quase três anos após sua prisão em solo canadense a pedido dos Estados Unidos.

Meng Wanzhou, de 49 anos, filha do fundador da gigante das telecomunicações, Ren Zhengfei, foi presa em 1º de dezembro de 2018 no aeroporto de Vancouver a pedido de Washington, que quer julgá-la por fraude bancária.

Meng apareceu sorrindo de manhã ao deixar sua casa em Vancouver, onde vive sob vigilância, antes de ir para a Suprema Corte da Columbia Britânica, onde serão realizadas as audiências.

Nesse primeiro dia, a defesa de Meng levantou mais uma vez a hipótese de que os Estados Unidos tentaram realizar um processo "abusivo" contra sua cliente.

"Este caso é baseado em desinformação e omissão seletiva de fatos. A prisão da Sra. Meng foi uma aula magistral de como violar os direitos de uma pessoa", declarou à AFP Alykhan Velshi, vice-presidente de assuntos corporativos da Huawei Canadá, que descreveu o processo como "perseguição política".

"O advogado da Sra. Meng demonstrará que os Estados Unidos não produziram uma acusação crível para justificar sua extradição", afirmou a Huawei Canadá. Portanto, sua prisão "deve ser rejeitada e seu retorno ao seu país permitido", enfatizou a gigante chinesa nesta quarta-feira.

A acusação considera que as provas apresentadas pela defesa não são da competência da Justiça canadense.

As audiências estão previstas para terminar em 20 de agosto, mas uma decisão não é esperada por alguns meses. Em caso de recurso, o processo pode levar anos.

A prisão da diretora financeira, seguida dias depois por dois canadenses acusados de espionagem na China, causou uma grave crise diplomática entre Pequim e Ottawa.

ast/gn/vgr/dl/dga/ic

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos