Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,10 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,43 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.971,87
    -157,75 (-0,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,35 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,00 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,30 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,06 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Atuação de Bolsonaro na pandemia é denunciada na ONU: “Tragédia humanitária devastadora”

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
Presidente foi criticado pela condução do país na pandemia (AP Foto/Eraldo Peres)
Presidente foi criticado pela condução do país na pandemia (AP Foto/Eraldo Peres)

O governo de Jair Bolsonaro (sem partido) foi denunciado nesta segunda-feira na Organização das Nações Unidas (ONU). A Comissão Arns, em coordenação com a organização não governamental Conectas Direitos Humanos, classificou como “tragédia humanitária devastadora” a atuação do presidente na pandemia da Covid-19.

As críticas foram feitas ao Conselho de Direitos Humanos da ONU. Representante da Comissão Arns, Maria Hermínia Tavares afirmou em comunicado que “a situação do Brasil é desesperadora”.

Leia também:

“Ele (Bolsonaro) desdenha das recomendações dos cientistas; ele tem, repetidamente, semeado descrédito em todas as medidas de proteção, como o uso de máscaras e distanciamento social; promoveu o uso de drogas ineficazes; paralisou a capacidade de coordenação da autoridade federal de Saúde; descartou a importância das vacinas; riu dos temores e lágrimas das famílias”, completou.

As entidades apontaram, ainda, que as medidas efetivas econômicas e de combate ao vírus partiram de governos estaduais, prefeituras e dos poderes legislativo e judiciário, mas não da presidência.

“É por isso que estamos aqui, hoje, para chamar a atenção deste Conselho e apontar a responsabilidade do presidente Bolsonaro em promover, por palavras e atos, uma devastadora tragédia humanitária, social e econômica no Brasil.”

O país se transformou no epicentro da Covid-19 e soma mais casos até do que os Estados Unidos nos últimos 15 dias. A última semana foi a pior de toda a pandemia, com mais de 12.795 mortes registradas pelo vírus.