Mercado fechará em 5 h 57 min
  • BOVESPA

    101.259,75
    -658,25 (-0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.707,72
    +55,52 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,76
    -1,09 (-2,74%)
     
  • OURO

    1.904,10
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    13.137,50
    +60,48 (+0,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    263,12
    +1,66 (+0,64%)
     
  • S&P500

    3.465,39
    +11,90 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    28.335,57
    -28,13 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.830,60
    -29,68 (-0,51%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.494,34
    -22,25 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    11.559,25
    -104,25 (-0,89%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6833
    +0,0194 (+0,29%)
     

Atuação da Petrobras em 6ª Rodada reduziu competitividade, diz ministro

Por Marta Nogueira e Rodrigo Viga Gaier

Por Marta Nogueira e Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras surpreendeu o governo nesta quinta-feira ao realizar oferta na 6ª Rodada de Licitações de Partilha da Produção por apenas um dos três blocos pelos quais manifestou interesse de ser a operadora, afirmou o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, que avalia que a atuação da estatal terminou por reduzir a atratividade do leilão.

Atualmente, por lei, a Petrobras tem o direito de exercer preferência para ser a operadora de áreas que estão dentro de área delimitada do pré-sal. No leilão desta quinta-feira, ela escolheu três dos cinco blocos que seriam ofertados.

O leilão terminou por negociar apenas o bloco de Aram, vencido após uma oferta única de consórcio formado pela Petrobras, com participação de 80%, em parceria com a chinesa CNODC, por um bônus de assinatura fixo de 5,05 bilhões de reais. O lance vencedor foi o mínimo exigido, de 29,96% de excedente em óleo à União.

"O exercício de preferência da Petrobras naturalmente reduz a competitividade do certame, isso é claro, nós já manifestamos essa visão ao Congresso Nacional", disse Albuquerque.

"O fato de a Petrobras exercer o direito de preferência, já reduzindo a competitividade, e não participar, isso tem que ser efetivamente analisado e, realmente, não me parece ser de bom senso manter um regime como o que é hoje."

(Com reportagem adicional de Marianna Parraga, Gram Slattery e Roberto Samora)