Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.557,67
    +698,80 (+0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.918,28
    +312,72 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,95
    -0,10 (-0,14%)
     
  • OURO

    1.785,70
    +1,00 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    50.740,62
    +59,96 (+0,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.310,50
    -10,78 (-0,82%)
     
  • S&P500

    4.686,75
    +95,08 (+2,07%)
     
  • DOW JONES

    35.719,43
    +492,40 (+1,40%)
     
  • FTSE

    7.339,90
    +107,62 (+1,49%)
     
  • HANG SENG

    23.983,66
    +634,28 (+2,72%)
     
  • NIKKEI

    28.799,46
    +343,86 (+1,21%)
     
  • NASDAQ

    16.364,50
    +46,50 (+0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3431
    +0,0034 (+0,05%)
     

Atriz brasileira estrelou último filme de diretora morta por Alec Baldwin: 'Halyna era incrível'

·2 min de leitura

A atriz brasileira Isadora Cruz estrelou "O chapeleiro louco" (2021), último longa-metragem com direção de fotografia da ucraniana Halyna Hutchins, morta por um disparo realizado por Alec Baldwin durante as filmagens do inédito "Rust". Numa rede social, a paraibana de 22 anos, conhecida por ter interpretado a personagem Cris na novela "Haja coração" (2016), prestou uma homenagem para a colega.

"Isso é inacreditável. Halyna era verdadeiramente incrível. Tive o prazer de trabalhar com ela e ver o incrível ser humano que ela era, notável em tudo que fazia", escreveu Isadora, em post compartilhado nos Stories do Instagram.

Na mesma publicação, Isadora escreveu que Halyna era "tão gentil, inteligente, engraçada, talentosa, corajosa e trabalhadora". "Sentiremos muito a sua falta! Estou enviando minhas orações para a sua família e seus entes queridos", ressaltou a atriz.

Na trama de terror "O chapeleiro louco" ("The mad hatter", no original), lançada neste ano, Isadora divide a cena com Michael Berryman, da série "Jornada nas estrelas", e vive Chelsey, uma jovem que se conecta com o lado espiritual tentando se comunicar com o pai morto.

Quem era Halyna Hutchins

A diretora de fotografia Halyna Hutchins, morta pelo disparo de uma arma cenográfica realizado por Alec Baldwin, tinha 42 anos. A profissional trabalhava com cinema desde 2012, segundo o portal IMDb.

De acordo com o site profissional da diretora, Hutchins nasceu na Ucrânia e cresceu numa base militar soviética no Círculo Polar Ártico. Ela cursou jornalismo na Universidade Nacional de Kiev, na Ucrânia, e, em seguida, estudou cinema em Los Angeles, nos EUA. Antes de enveredar para o meio artístico, Hutchins trabalhou como jornalista investigativa em produções documentais na Europa.

Como diretora de fotografia, atuou em filmes como "Archenemy" (2020), com Joe Manganiello; "Blindfire" (2020); e "O chapeleiro louco" (2021). Na última terça-feira (19/10), dois dias antes do incidente, ela publicou um vídeo em seu perfil no Instagram falando sobre o trabalho em "Rust".

"Um dos benefícios de gravar um filme de velho oeste é que você pode andar a cavalo na sua folga", afirmou ela.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos