Mercado fechará em 3 h 27 min
  • BOVESPA

    115.199,88
    -467,90 (-0,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.386,91
    +235,53 (+0,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,37
    +0,15 (+0,24%)
     
  • OURO

    1.775,60
    -22,30 (-1,24%)
     
  • BTC-USD

    51.193,16
    +2.127,26 (+4,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.024,53
    +29,87 (+3,00%)
     
  • S&P500

    3.889,56
    -35,87 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    31.783,60
    -178,26 (-0,56%)
     
  • FTSE

    6.665,06
    +6,09 (+0,09%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    13.121,25
    -180,75 (-1,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6991
    +0,1286 (+1,96%)
     

Atraso em vacinação pode custar 90 bilhões de euros à UE, diz Allianz

·1 minuto de leitura
Profissional de saúde recebe vacina contra Covid-19 em Bruxelas

BERLIM (Reuters) - A economia da União Europeia pode perder 90 bilhões de euros neste ano se não acompanhar o ritmo da vacinação contra Covid-19 de outras regiões, mostrou um estudo nesta quarta-feira.

Governos da UE estão sob fogo cerrado por causa do início lento das vacinações no bloco. Críticos apontam para o progresso feito no Reino Unido, Israel e Estados Unidos como prova de um fracasso de planejamento em Bruxelas e outras partes.

Para alcançar uma meta de 70% de imunidade em adultos até o verão local, a UE precisaria aumentar seis vezes a taxa de vacinações, de acordo com um estudo da seguradora Allianz e da seguradora de créditos Euler Hermes visto pela Reuters antes da publicação.

No ritmo atual, a imunidade de rebanho não será alcançada antes de 2022, disse o estudo, acrescentando que quanto mais tempo demorar para se vacinar a população europeia, mais tempo a economia será prejudicada por restrições e lockdowns.

"Um euro que é gasto com a aceleração das vacinações (através de infraestrutura, aumento de produção de vacina) poderia evitar quatro vezes a mesma quantia de euros em perdas", disse o documento.

A chefe da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse na terça-feira que a UE ficou entre três e quatro semanas atrás dos rivais por causa de um processo de aprovação mais rigoroso. Os problemas de suprimento devem se amenizar no segundo trimestre de 2021, mas aumentar a produção continua sendo um desafio, disse ela.

(Por Christian Krämer)