Mercado fechará em 2 h 56 min

Atos golpistas nas estradas deixam floriculturas desabastecidas para o dia de Finados

SÃO PAULO, SP, 01.11.2022 - ESTRADAS-SP: Caminhoneiros apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) protestam e bloqueiam a rodovia Castelo Branco, na altura do km 20 (divisa de Osasco com Barueri), na Grande São Paulo, na tarde desta terça-feira. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)
SÃO PAULO, SP, 01.11.2022 - ESTRADAS-SP: Caminhoneiros apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) protestam e bloqueiam a rodovia Castelo Branco, na altura do km 20 (divisa de Osasco com Barueri), na Grande São Paulo, na tarde desta terça-feira. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O bloqueio de estradas e rodovias no país, promovido desde a segunda-feira (31) por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL), derrotado nas últimas eleições, vai provocar a falta de flores no dia de Finados, nesta quarta-feira (2).

O alerta partiu do Ibraflor (Instituto Brasileiro de Floricultura), que conta com 857 associados em 16 estados do país, incluindo as principais cooperativas e associações de produtores e floriculturas de algumas regiões, e do Mercadão das Flores, o maior mercado permanente de flores da capital paulista.

Procuradas pela Folha de S.Paulo, as instituições revelam preocupação dos fabricantes e produtores de flores com o abastecimento dos produtos para este feriado de Finados, a segunda data mais importante para o setor no país, só atrás do Dia das Mães.

"Existem regiões, como o Sul, que já estão afetadas", disse à Folha de S.Paulo a secretária executiva do Ibraflor, Adriana Rosa. O instituto representa cerca de 5.000 floricultores em todo o país.

As manifestações antidemocráticas nas estradas também afligem varejistas da capital paulista, o maior mercado nacional.

"A maioria dos lojistas, que ocupam 320 espaços no Mercadão, estão prejudicados", diz Marcella Zanoti, responsável pela área de marketing do Mercadão das Flores. "Já começou a faltar flor e haverá um impacto financeiro que ainda não sabemos quantificar."

De acordo com Marcella, os lojistas fornecedores estão no interior de São Paulo e em outras regiões do país, e não conseguem chegar até a capital por conta das manifestações.

"Somos o principal ponto de escoamento de flores de São Paulo, recebidas diariamente, e atendemos tanto os consumidores como as floriculturas", diz ela. "Amanhã é um dos dias mais importantes para o segmento e tivemos impacto direto no abastecimento de mercadorias."

O Mercadão das Flores na capital fica ao lado da Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo) na Vila Leopoldina, zona oeste da capital paulista. Nesta terça (1º), a Ceagesp informou que havia grande expectativa com a Feira de Flores desta segunda (31) para terça-feira, devido ao Dia de Finados.

"Mas muitos caminhões não conseguiram chegar com os produtos por conta dos bloqueios nas rodovias", disse o chefe da seção de economia da Ceagesp, Thiago de Oliveira, em comunicado.

Devido às manifestações de golpistas nas estradas, promovidas por apoiadores do atual presidente Jair Bolsonaro, a Ceagesp informou que houve queda de 17% na quantidade de veículos que entram cotidianamente no Entreposto Terminal São Paulo (ETSP).

Por conta disso, a entrada de caminhões no ETSP para carga e descarga ficará liberada por 24 horas . A medida é excepcional, uma vez que, normalmente, o horário limite é às 18 horas.