Mercado abrirá em 7 h 32 min

“Atos antidemocráticos são meus ovos na goela”, diz Carlos Bolsonaro sobre depoimento à PF

Colaboradores Yahoo Notícias
·2 minutos de leitura
RIO DE JANEIRO, BRAZIL - AUGUST 14: City Councillor of Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro wearing a face mask looks on during the opening of the Escola Civico-Militar General Abreu on August 14, 2020 in Rio de Janeiro, Brazil. The civic-military school inaugurated by the city of Rio de Janeiro has a capacity for 500 students. Two other units will be added to the complex, which will be launched by the end of the year. Civic-military schools are non-militarized institutes with retired military agents as tutors, a model advocated by the government of Jair Bolsonaro. (Photo by Buda Mendes/Getty Images)
RIO DE JANEIRO, BRAZIL - AUGUST 14: City Councillor of Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro wearing a face mask looks on during the opening of the Escola Civico-Militar General Abreu on August 14, 2020 in Rio de Janeiro, Brazil. The civic-military school inaugurated by the city of Rio de Janeiro has a capacity for 500 students. Two other units will be added to the complex, which will be launched by the end of the year. Civic-military schools are non-militarized institutes with retired military agents as tutors, a model advocated by the government of Jair Bolsonaro. (Photo by Buda Mendes/Getty Images)

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho 02 do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), reagiu com palavrões à divulgação de seu depoimento à Polícia Federal na investigação de atos democráticos.

“Atos antidemocráticos são meus ovos na goela de quem inventou isso! Milhares vão às ruas espontaneamente e devido a meia dúzia esculhambam toda a democracia. Tentam qualificar a vontade popular como algo temerário”, escreveu em seu Twitter.

“Depoimentos sigilosos vazados ilegalmente mais uma vez para manter uma narrativa de desgaste diário. A biografia e os bilhões de reais perdidos fazem isso com a vontade de uma nação! PQP!”, xingou.

Questionado pela PF no depoimento, Carlos disse que não é “covarde ou canalha a ponto de utilizar robôs e omitir essa informação” e que não participa da política de comunicação do governo federal.

O vereador disse que “tem relação apenas com divulgação dos trabalhos desenvolvidos pelo governo federal nas contas pessoais do declarante e do seu pai”. Ele admitiu ainda relações com um dos integrantes do “gabinete do ódio”, mas apenas para pedir informações.

Carlos prestou depoimento na Superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro. O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), o filho 03, também será ouvido pelos investigadores. A oitiva está prevista para a terça-feira (22).