Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.597,44
    +128,66 (+0,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Atos antidemocráticos prejudicaram produção e venda de carros

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A produção e a venda de veículos leves e pesados tiveram leves quedas em outubro, mas poderiam ter registrado números melhores.

Segundo a Anfavea (associação das montadoras), os protestos antidemocráticos com bloqueios de estradas, que ocorreram a partir do dia 30, prejudicaram os resultados do mês.

"Tivemos um mês muito bom tanto em vendas como em produção, mas há dois fatores. O primeiro é o feriado do dia 12, e, no dia 31, o período de manifestações Brasil afora", disse Márcio Lima Leite, presidente da Anfavea.

Foram montadas 206 mil unidades no último mês, segundo dados divulgados nesta terça-feira (8) pela Anfavea.

Houve queda de 0,8% em relação a setembro, já com influência das paradas que dificultaram a entrega de peças e a chegada de funcionários. A perda se estendeu pelo dia 1º de novembro, quando empresas como a Toyota permaneceram com as linhas de produção desativadas.

Apesar do problema, o saldo do ano é positivo. Na comparação com outubro de 2021, houve alta de 15,1% --resultado que comprova a melhora no fornecimento de componentes registrada neste segundo semestre.

No acumulado do ano, foram produzidas 1,962 milhão de unidades, o que resulta em crescimento de 7,1% entre janeiro e outubro. O número inclui carros de passeio, veículos comerciais leves, ônibus e caminhões.

Os resultados foram divulgados na Fenatran 2022, principal feira do setor de transportes no Brasil.

As vendas também seguem em recuperação, embora em ritmo um pouco mais lento. O mês de outubro terminou com 180,9 mil veículos leves e pesados emplacados, segundo a Fenabrave (entidade que representa os distribuidores de veículos). Houve queda de 6,7% em comparação a setembro, o que mostra o peso dos problemas registrados no dia 31.

Em geral, o último dia útil do mês é o que registra maior volume de licenciamentos. Com as atividades interrompidas Brasil afora, a expectativa de alta deu lugar ao decréscimo.

Segundo a Anfavea, se forem desconsiderados o último dia útil dos meses de setembro e outubro, a média diária de vendas teria registrado um crescimento de 2,3% no último mês.

O presidente da associação afirma que 17 mil unidades foram emplacadas no último dia útil de setembro. No de outubro, porém, houve apenas 9.000 emplacamentos

Em relação a outubro de 2021, houve alta de 11,4%. Mas os 1,68 milhão de veículos emplacados no acumulado do ano representam uma queda de 3,2% na comparação com o mesmo período de 2021.

A Anfavea acredita que será possível crescer 1% em vendas na comparação ao ano passado. Na produção, a expectativa é de um avanço de 4,4%. Enquanto a primeira previsão parece distante de ser batida, a segunda será facilmente superada. A explicação está nos números positivos das exportações.

Outubro terminou com 42,8 mil veículos enviados para o exterior. No acumulado do ano, 406,3 mil unidades foram exportadas, uma alta de 32,4% em relação aos 10 primeiros meses de 2021.

O bom resultado ocorre apesar dos problemas no mercado argentino, que ainda tem travado as emissões de licenças de importação, embora os números de lá deem alguns sinais de melhora.

A compensação veio do México e do Chile, que se destacaram no mês de outubro. De acordo com a Anfavea, o último mês terminou com uma alta de 49,8% nas exportações em relação a setembro.

Quanto ao relacionamento com o futuro governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o presidente da Anfavea disse que espera pela permanência do corpo técnico dos ministérios ligados à indústria.

"Se houver uma manutenção dos técnicos nos órgãos em que temos maior contato, o que sempre ocorreu, nossas expectativas são positivas, sem grandes alterações."