Mercado fechará em 1 h 57 min
  • BOVESPA

    130.149,37
    +58,29 (+0,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.738,18
    -170,00 (-0,33%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,01
    -0,11 (-0,15%)
     
  • OURO

    1.861,40
    +5,00 (+0,27%)
     
  • BTC-USD

    38.792,84
    -2.270,49 (-5,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    958,85
    -33,62 (-3,39%)
     
  • S&P500

    4.216,94
    -29,65 (-0,70%)
     
  • DOW JONES

    34.005,91
    -293,42 (-0,86%)
     
  • FTSE

    7.184,95
    +12,47 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    28.436,84
    -201,69 (-0,70%)
     
  • NIKKEI

    29.291,01
    -150,29 (-0,51%)
     
  • NASDAQ

    14.021,50
    -8,75 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0691
    -0,0488 (-0,80%)
     

Ator e diretor Norman Lloyd morre aos 106 anos

·1 minuto de leitura
Ator Norman Lloyd em Los Angeles

Por Bill Trott

LOS ANGELES (Reuters) - O ator, produtor e diretor norte-americano Norman Lloyd, cuja carreira de mais de 80 anos inclui colaborações com lendas do cinema como Charlie Chaplin e Orson Welles, morreu aos 106 anos de idade, reportaram as publicações Variety e Deadline Hollywood nesta terça-feira.

A Variety diz que o amigo e colega produtor Dean Hargrove confirmou a morte, afirmando que Lloyd morreu na terça-feira em sua casa em Los Angeles. A Deadline Hollywood diz que Lloyd morreu dormindo.

A Reuters não conseguiu confirmar de maneira independente a notícia.

Sua última aparição no cinema como ator foi na comédia de 2015 "Descompensada", com Amy Schumer e dirigida por Judd Apatow.

"Lloyd acendia cada momento em que estivesse presente", escreveu Apatow na Vanity Fair à época.

Entre os trabalhos de Lloyd no cinema estão o longa "A Época da Inocência", de Martin Scorsese em 1993, e o papel de diretor do colégio ao lado de Robin Williams no filme de 1989 "Sociedade dos Poetas Mortos".

No documentário de 2007 "Who Is Norman Lloyd", o produtor de televisão Tom Fontana, que trabalhou com ele na série televisiva "St. Elsewhere", descreveu Lloyd como uma combinação entre Peter Pan e o Pai do Tempo.

O ator era uma parte da história do entretenimento nos Estados Unidos. Com seu modo erudita, adorava entreter o público com histórias de suas partidas de tênis com Chaplin, sua amizade com Gregory Peck e Alfred Hitchcock, o trabalho com o diretor francês Jean Renoir e a atriz Ingrid Bergman, e sobre dar a Stanley Kubrick um de seus primeiros empregos no cinema.