Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.361,67
    +229,75 (+0,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Atletismo: Elaine Thompson-Herah avança à final dos 200m com o melhor tempo

·1 minuto de leitura
A jamaocana Elaine Thompson-Herah venceu a semifinal dos 200 metros nos Jogos de Tóquio

As principais favoritas dos 200 metros nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 avançaram à final da prova, que será disputada na terça-feira.

A jamaicana Elaine Thompson-Herah, que no sábado venceu a prova dos 100 metros, foi a mais rápida das semifinais, com o tempo de 21 segundos e 66 centésimos.

Thompson-Herah conquistou o ouro nas duas principais provas de velocidade nos Jogos Rio-2016 e aspira repetir a façanha em Tóquio.

Sua compatriota Shelly-Ann Fraser-Pryce (22.13), a marfinense Marie-Josée Ta Lou (22.11) e Shaunae Miller-Uibo (22.14), das Bahamas, também avançaram à final.

As duas atletas com "diferenças de desenvolvimento sexual" (DSD, na sigla em inglês) procedentes da Namíbia, Beatrice Masilingi (22.40) e Christine Mboma (21.97), também estão classificadas.

Christine Mboma, de apenas 18 anos, é uma das sensações da temporada e no fim de junho se tornou a sétima atleta mais rápida de todos os tempos nos 400 metros. Porém, o Comitê Olímpico de seu país anunciou poucos dias depois que ela não poderia disputar a prova nos Jogos Olímpicos por ser afetada pelas regras em vigor para atletas que apresentam naturalmente níveis elevados de testosterona.

Desde 2019, as atletas nesta situação devem seguir um tratamento para reduzir a taxa de testosterona durante seis meses consecutivos antes de poder participar em uma competição internacional nas provas que vão dos 400 metros à milha (1.609 metros).

kn/dr/gr/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos