Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.249,73
    +1.405,98 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.828,13
    +270,48 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,51
    +0,22 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.775,00
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    40.508,34
    -3.180,90 (-7,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.016,33
    -47,52 (-4,47%)
     
  • S&P500

    4.354,19
    -3,54 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.919,84
    -50,63 (-0,15%)
     
  • FTSE

    6.980,98
    +77,07 (+1,12%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    14.992,75
    -16,75 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1803
    -0,0644 (-1,03%)
     

Atletas são impedidos de ir aos Jogos por não terem feito exames antidoping

·1 minuto de leitura
Vinte participantes do atletismo são proibidos de participar dos Jogos de Tóquio por não terem realizados exames antidoping

A Unidade de Integridade do Atletismo (AIU) anunciou nesta quinta-feira que vinte participantes desse esporte nos Jogos de Tóquio em 2020 não atenderam aos padrões de controle antidoping fora de competição e não poderão participar do evento. Entre os atletas afastados, dez são nigerianos.

Todos fazem parte de países classificados pela AIU na “categoria A”, o que significa que são considerados de “alto risco”, portanto seus representantes devem passar por três testes nos dez meses que antecedem um grande campeonato.

A notícia é um duro golpe para a equipe de atletismo nigeriana, com 23 classificados inicialmente.

Segundo uma fonte ligada ao assunto, o velocista nigeriano Blessing Okagbaré, um dos candidatos ao título nos 100 metros, não consta desta lista de banidos.

Os outros países afetados pela decisão da AIU são Quênia (2), Bielorrússia (3), Etiópia (1), Marrocos (1) e Ucrânia (3).

Os dois atletas quenianos excluídos poderiam ser substituídos antes da oficialização dos participantes dos Jogos Olímpicos, o que permitiu incluir o campeão mundial de 1.500 metros Timothy Cheruiyot, que havia sido apenas o quarto na pré-seleção de seu país.

Embora os países de alto risco tenham feito "melhorias significativas" na luta contra o doping, "ainda há um longo caminho a percorrer", declarou o presidente da AIU, David Howman.

rcw-kn/dr/psr/lca

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos