Mercado fechará em 2 h 26 min
  • BOVESPA

    110.833,36
    +1.989,62 (+1,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.738,06
    +180,41 (+0,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,35
    +0,06 (+0,09%)
     
  • OURO

    1.777,40
    +13,60 (+0,77%)
     
  • BTC-USD

    42.074,11
    -1.819,91 (-4,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.050,07
    -13,77 (-1,29%)
     
  • S&P500

    4.360,98
    +3,25 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.007,36
    +36,89 (+0,11%)
     
  • FTSE

    6.980,98
    +77,07 (+1,12%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    15.029,75
    +20,25 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1993
    -0,0454 (-0,73%)
     

Atleta brasileiro se revolta em Tóquio com funk na hora de dormir

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Altobeli da Silva, 30, postou diversos vídeos no Instagram Stories reclamando do barulho nos corredores do alojamento do Brasil na Vila Olímpica. Sem citar nomes, o atleta diz ter se decepcionado com alguns atletas que estavam participando da bagunça e se mostrou indignado com a situação.

"Eu estou com um estresse aqui galera, chego a estar tremendo de tanto nervoso. No Japão, descansando, cansado, aí eu ouço uma barulheira aqui na porta do meu quarto, som de funk, de atletas que treinam meio periodo. Eu treino dois, pegado", começou o corredor na mensagem postada na manhã deste sábado no Brasil, por volta das 22h30 no Japão.

Silva continuou o desabafo dizendo que muitos daqueles que estavam envolvidos na barulheira não "tinham propósito, nem objetivo", como ele, que tentava repousar no quarto respeitando a privacidade dos colegas. "É complicado. É nessas horas que você vê quem é quem, quem é que vai ser de verdade e quem só vai ser mais um da multidão".

"Inclusive escutei a voz de atletas que achava que fossem mais disciplinados pelo resultado que têm, que vêm fazendo, mas não, aí eu percebo que o Brasil é um barco furado por causa dessas coisas. Tem que ter consciência", disse, decepcionado o corredor que vai disputar a prova de 3.000 metros com obstáculos nas Olimpíadas.

Altobeli contou que não foi o único a reclamar e que, inclusive o diretor executivo da CBA (Conferderação Brasileira de Atetismo), Cláudio Castilho, interveio, pedindo silêncio, no que não foi respeitado. "Ele chamou a atenção e eu só escutei que não ia desligar mesmo [o som]". O corredor argumentou que preferiu desabafar nas redes sociais para não arrumar confusão.

"Para eu chegar a esse ponto de falar é porque estourou o meu limite, como acontece com todo ser humano. Eu acordei com o barulho e foi tomando tanta proporção que, se eu saísse, não seria educado". Ele completou dizendo que cada um deveria saber das próprias responsabilidades.

"Nem fui jantar para priorizar meu descanso. Todo mundo é adulto, não precisa ficar chamando a atenção. Agora ficar por aí achando que é estrela, tem uns aí que tem que descer do salto alto. Tem que ser assim, a ferro e fogo, na educação dão risada de você", pontuou.

Cerca de uma hora depois, ele deixou uma mensagem no Stories e encerrou o assunto. "Melhor ser odiado por ser verdaeiro do que ser gloriado sendo falso para se dar bem com todo mundo. Mantenho meu caráter de nunca precisar fingir ser o que não sou para agradar a quem eu mal ou não conheço. Respeito gera respeito. Gentileza gera gentileza".

Não é só de desabafos que vivem as redes sociais dos atletas, muitos têm mostrado também, o dia a dia em Tóquio, inclusive o próprio Silva tem exibido momentos divertidos do próprio cotidiano nas redes sociais.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos