Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.638,18
    +676,28 (+1,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Atleta bielorrussa viajará a Varsóvia após escala em Viena, diz governo austríaco

·2 minuto de leitura
Krystsina acena no aeroporto antes de embarcar rumo à Polônia

A velocista olímpica bielorrussa Krystsina Tsimanouskaya, que deve chegar a Viena em algumas horas após deixar Tóquio, seguirá depois para a Polônia, país que lhe concedeu um visto humanitário, disseram as autoridades austríacas.

"De acordo com as informações que temos, está previsto que ela saia rumo a Varsóvia nesta tarde", disse à AFP um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores sobre a atleta, que vive um conflito com as autoridades esportivas de seu país.

Krystsina Tsimanouskaya disse temer por sua vida se voltar a Belarus, que sofre uma repressão contra dissidentes após a contestadas eleições do ano passado que mantiveram o poder nas mãos do homem forte do país, Alexander Lukashenko.

Ela foi uma das mais de 2.000 personalidades esportivas bielorrussas que assinaram uma carta aberta pedindo novas eleições e a libertação dos presos políticos.

O primeiro-ministro polonês, Mateusz Morawiecki, disse na terça ter conversado com a "corajosa" Tsimanouskaya, que "atualmente está sendo cuidada e a salvo".

O Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou que irá investigar a equipe de Belarus pelo incidente, enquanto ativistas pediram a suspensão do comitê olímpico do país e que seus atletas compitam como neutros.

A ONG Global Athlete declarou que "o suposto sequestro de Krystsina Tsimanouskaya é mais um exemplo do abuso alarmante dos atletas que ocorre em Belarus".

Lukashenko, no poder desde 1994, provocou revolta internacional em maio, ao enviar um avião-caça para interceptar um voo da companhia aérea Ryanair na rota entre a Grécia e a Lituânia para deter um dissidente que viajava a bordo.

O episódio olímpico ocorre enquanto a polícia da Ucrânia revelou que um ativista bielorrusso desaparecido, cuja ONG ajuda compatriotas a fugir de seu país, foi encontrado enforcado em um parque de Kiev.

A polícia ucraniana informou ter aberto uma investigação criminal e que não descarta que se trate de um "homicídio disfarçado de suicídio".

anb/bg/jf/pc/es/aam

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos