Mercado fechará em 6 h 30 min
  • BOVESPA

    112.711,90
    -1.352,46 (-1,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,02
    -0,28 (-0,38%)
     
  • OURO

    1.743,60
    -6,20 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    41.013,11
    -2.670,13 (-6,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.014,96
    -93,96 (-8,47%)
     
  • S&P500

    4.431,31
    -17,67 (-0,40%)
     
  • DOW JONES

    34.659,70
    -105,12 (-0,30%)
     
  • FTSE

    7.049,44
    -28,91 (-0,41%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.192,50
    -111,00 (-0,73%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2584
    +0,0334 (+0,54%)
     

Atleta de Belarus recebe visto da Polônia após recusa em voltar para casa

·2 minuto de leitura
Krystsina Tsimanouskaya no aeroporto em Tóquio

Por Gabrielle Tétrault-Farber e Antoni Slodkowski

TÓQUIO (Reuters) - Uma atleta de Belarus no cerne de um impasse olímpico com seu próprio país entrou na embaixada da Polônia no Japão nesta segunda-feira, um dia depois de recusar ordem da equipe bielorussa para embarcar em um voo para casa, e recebeu visto humanitário do governo polonês.

A velocista Krystsina Tsimanouskaya, de 24 anos, planeja deixar o Japão em direção à Polônia nos próximos dias, disse à Reuters o ministro adjunto das Relações Exteriores da Polônia Marcin Przydacz. Ela está "segura e em boas condições" depois de entrar na embaixada na manhã desta segunda-feira, segundo ele.

Outro ministro adjunto das Relações Exteriores, Pawel Jablonski, afirmou: "Posso confirmar que emitimos um visto humanitário. Posso confirmar que forneceremos todo o apoio necessário na Polônia se ela desejar usá-lo".

Tsimanouskaya competiria nas eliminatórias femininas dos 200 metros na segunda-feira, mas ela disse que no domingo foi levada ao aeroporto para embarcar em um voo da Turkish Airlines.

Ela se recusou a embarcar, dizendo à Reuters: "Não vou voltar para Belarus".

O incidente chamou a atenção novamente para a discórdia política em Belarus, uma ex-República soviética que é governada pelo presidente Alexander Lukashenko.

A polícia local reprimiu a dissidência após uma onda de protestos desencadeada por uma eleição no ano passado que, segundo a oposição, foi fraudada para mantê-lo no poder.

A atleta parou diante da embaixada em uma van prateada sem identificação perto das 17h locais. Ela saiu com sua bagagem olímpica oficial e cumprimentou duas autoridades antes de entrar nas dependências.

Duas mulheres, uma delas portando a bandeira vermelha e branca considerada o símbolo da oposição em Belarus, foram aos portões para apoiá-la.

O marido de Tsimanouskaya, Arseni Zhdanevich, se juntará a ela na Polônia, disse um político da oposição bielorrussa baseado em Varsóvia.

(Reportagem adicional de Karolos Grohmann, Ilya Zhegulev e Margaryta Chornokondtratenko, Chang-Ran Kim)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos