Mercado fechará em 5 h 32 min
  • BOVESPA

    101.923,48
    +1.159,88 (+1,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.655,88
    +361,05 (+0,75%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,08
    +1,51 (+1,38%)
     
  • OURO

    1.824,80
    0,00 (0,00%)
     
  • BTC-USD

    20.895,86
    +203,71 (+0,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,72
    +6,66 (+1,48%)
     
  • S&P500

    3.912,87
    +12,76 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    31.588,43
    +150,17 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.354,89
    +96,57 (+1,33%)
     
  • HANG SENG

    22.418,97
    +189,45 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    27.049,47
    +178,20 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    12.044,25
    +3,75 (+0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4747
    -0,0694 (-1,25%)
     

Atlas Renewable Energy estreia em eólicas no Brasil com projeto de 378 MW em MG

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Parque de energia eólica
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Letícia Fucuchima

SÃO PAULO (Reuters) - A Atlas Renewable Energy está ingressando no segmento de geração eólica no Brasil com a compra de um projeto que será erguido em Minas Gerais, Estado onde a fonte eólica ainda é inexplorada mas pode se tornar uma opção competitiva dependendo da região, disse à Reuters um executivo da companhia.

O projeto adquirido pela Atlas, geradora de energia controlada pela gestora inglesa Actis, foi desenvolvido pela Voltalia, empresa de origem francesa que também atua com energias renováveis no país. O valor da aquisição não foi divulgado.

O complexo terá 378 megawatts (MW) de capacidade instalada e será o primeiro investimento da companhia em energia eólica no Brasil. A Atlas cresceu apostando na geração solar e hoje detém pouco mais de 3 GW em projetos solares, operacionais ou em construção, espalhados entre Chile, Uruguai, México e Brasil.

Batizado de Juramento, o empreendimento eólico ainda não teve sua energia vendida, mas a Atlas está buscando acordos de longo prazo com grandes consumidores eletrointensivos e espera fechar a contratação em breve, segundo Luis Pita, gerente geral da Atlas Renewable Energy no Brasil.

"Decidimos entrar em outra fonte de energia porque temos que complementar as propostas que o mercado quer, nosso mercado quer energia 24/7", disse Pita, referindo-se à combinação de perfis diferentes de geração, já que as eólicas produzem principalmente à noite, e a solar, durante o dia.

Já sobre a opção de Minas Gerais, Estado campeão na fonte solar mas onde a eólica não deslanchou, Pita destacou que os ventos são favoráveis à instalação de eólicas em algumas regiões, como o sudeste, onde ficará o projeto da Atlas.

Além disso, Minas Gerais oferece incentivos fiscais a usinas de geração renováveis, o que também torna os projetos competitivos, acrescentou.

"É (um projeto) muito diferenciado, vamos poder oferecer eólica perto do ponto de consumo... A gente tem procurado ficar perto do ponto de consumo dos nossos clientes potenciais", disse.

A estratégia da Atlas é vender a energia de seus empreendimentos a grandes empresas, como a mineradora Anglo American e as químicas Dow e Unipar, em contratos de longo prazo. No mês passado, a companhia anunciou a formação de uma joint venture com a Hydro Rein e a Albras para um projeto solar, com investimentos de 320 milhões de dólares.

Pita ressaltou que a energia eólica ajuda na diversificação do portfólio de soluções oferecidas a grandes consumidores, que passaram a demandar estruturas mais sofisticadas na hora da contratação de energia, como contratos indexados ao dólar.

O executivo destacou ainda a intensa busca dos clientes por acordos de energia limpa, em meio ao processo de transição energética, e as exigências cada vez maiores quanto às práticas ambientais, sociais e de governança relacionadas aos projetos.

Segundo ele, a companhia trabalha de forma próxima com as comunidades próximas a seus projetos de geração, oferecendo treinamentos gratuitos e empregando parte dos participantes dos cursos. "Quando começamos no Brasil, tínhamos 1% de mão de obra feminina. Hoje alguns projetos chegam a 17%", exemplificou.

(Por Letícia Fucuchima)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos