Mercado abrirá em 47 mins
  • BOVESPA

    123.576,56
    +1.060,82 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.633,91
    +764,43 (+1,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,42
    -1,14 (-1,62%)
     
  • OURO

    1.823,30
    +9,20 (+0,51%)
     
  • BTC-USD

    38.398,81
    +408,50 (+1,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    937,65
    -5,79 (-0,61%)
     
  • S&P500

    4.423,15
    +35,99 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    35.116,40
    +278,24 (+0,80%)
     
  • FTSE

    7.129,58
    +23,86 (+0,34%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    +231,73 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.584,08
    -57,75 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    15.033,00
    -13,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1569
    -0,0086 (-0,14%)
     

Ativos ESG na Europa encolhem com combate ao ‘greenwashing’

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O mercado europeu para investimentos sustentáveis encolheu em US$ 2 trilhões entre 2018 e 2020 depois da introdução de regras contra o chamado greenwashing, segundo dados da Global Sustainable Investment Alliance (GSIA).

Os ativos de investimentos sustentáveis caíram para US$ 12 trilhões na Europa ao longo de 2020 em relação aos US$ 14 trilhões em 2018, segundo o relatório. A queda não é resultado do menor entusiasmo por investimentos ESG, sigla em inglês para padrões ambientais, sociais e de governança, mas porque as autoridades apertaram os parâmetros para o que pode ser considerado um investimento responsável, disse Simon O’Connor, presidente da GSIA.

A Europa liderou a onda global de investimentos ESG. Bancos e gestores da região são os mais avançados no cálculo dos impactos das operações sobre a mudança climática e a biodiversidade. Os políticos do bloco também apoiaram a sustentabilidade com a estratégia climática mais ambiciosa do mundo e um conjunto de novas regras para alinhar o setor de finanças com sua meta de neutralidade de carbono.

As regras da UE contra o greenwashing, a prática de maquiar metas ambientais, conhecidas como Regulamento para Divulgação de Finanças Sustentáveis, ou SFDR na sigla em inglês, foram introduzidas em março e exigem que os gestores avaliem e divulguem as características ambientais, sociais e de governança corporativa de seus produtos financeiros. Os gestores precisam seguir uma classificação: os fundos do Artigo 8 são aqueles que promovem ativamente características ambientais ou sociais, enquanto os do Artigo 9 têm como objetivo o investimento sustentável, com ambas as categorias sujeitas a padrões mais elevados de divulgação no SFDR.

O SFDR “efetivamente redefiniu o padrão do que pode ser chamado de investimento sustentável, referindo-se a apenas um subconjunto do que costumava ser incluído”, disse O’Connor. “Sem essas mudanças, anteciparíamos que os ativos sob gestão na UE seriam muito maiores e permaneceriam acima do nível dos EUA.”

O relatório da GSIA mostrou que os ativos de investimentos sustentáveis nos EUA aumentaram para US$ 17 trilhões no ano passado frente a US$ 12 trilhões dois anos antes. O Canadá registrou o maior ganho proporcional em ativos ESG entre 2018 e 2020, com um salto de 42%, para US$ 2,4 trilhões.

O setor de investimentos sustentáveis cresceu 15% em dois anos, para US$ 35,3 trilhões, e agora responde por 36% de todos os ativos administrados profissionalmente nos EUA, Canadá, Japão, Australásia e Europa, disse a GSIA.

Os ativos ESG podem ultrapassar US$ 53 trilhões globalmente até 2025, segundo analistas da Bloomberg Intelligence.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos