Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.265,04
    +2.101,68 (+4,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Ativos da Autonomy caem 77% após apostas no Brasil e Argentina

·3 min de leitura

(Bloomberg) -- Apostas da Argentina ao Brasil colocaram o principal fundo da Autonomy Capital Research no caminho para seu pior ano desde a crise financeira. Os ativos da empresa encolheram cerca de US$ 5 bilhões em relação ao pico de meados de 2019.

Most Read from Bloomberg

Estratégias com foco na América Latina do fundo macro global da empresa estão por trás da queda de 28% acumulada até outubro, incluindo perdas de 7% no mês passado, de acordo com documentos obtidos pela Bloomberg e pessoas a par do assunto. Os ativos administrados pela empresa com sede em Londres caíram de US$ 6,3 bilhões há dois anos para cerca de US$ 1,5 bilhão, disse uma das pessoas.

Os problemas da Autonomy ecoam os de outros fundos macro, que apostam em tendências econômicas amplas. Alguns dos maiores players do setor enfrentam dificuldade para prever o rumo da economia global, ainda abalada pelo coronavírus.

O fundo da Rokos Asset Management mostra queda de 20% enquanto na Alphadyne Asset Management a baixa acumulada é 17% este ano, segundo a Bloomberg. E Balyasny Asset Management, BlueCrest Capital Management e ExodusPoint Capital Management tiveram que limitar as apostas de alguns operadores, já que os rendimentos dos títulos mundiais contrariaram as expectativas.

Mas a erosão dos ativos da Autonomy, fundada por Robert Gibbins em 2003, é particularmente extrema.

“Nosso desempenho não está onde gostaríamos”, disse o CEO da Autonomy, Ivan Ritossa, em carta aos investidores no mês passado. “Embora estejamos muito decepcionados com o desempenho do fundo, estamos otimistas quanto às oportunidades no portfólio e comprometidos em gerar fortes retornos ajustados ao risco ao longo do tempo.”

Ritossa acrescentou na carta que a Autonomy reduziu o risco em algumas áreas. Fanni Bodri, porta-voz externa do hedge fund, não quis comentar.

Brasil e Argentina estão no centro dos problemas da Autonomy.

No mercado brasileiro, os rendimentos da dívida soberana atingiram o nível mais alto em anos, enquanto o dólar disparou em relação ao real em meio ao crescente ceticismo de investidores de que o governo conseguirá controlar a inflação. Ao mesmo tempo, o plano do presidente Jair Bolsonaro de aumentar os gastos públicos provocou a saída de peças-chave da equipe econômica.

“Nossos erros foram em não avaliar a extensão da surpreendente inflação no Brasil e em outros países emergentes, e em não compreender a violência da função de reação dos bancos centrais, antecipando a necessidade de restaurar sua credibilidade”, disse Gibbins na carta aos investidores. “Ambos os erros custaram caro.”

Na Argentina, entretanto, a economia foi afetada sob a liderança do presidente, Alberto Fernández, e da vice, Cristina Kirchner. A eleição da chapa em outubro de 2019 surpreendeu Gibbins, que esperava a reeleição de um candidato mais favorável ao mercado.

A Autonomy gerou retornos de dois dígitos a cada ano até a crise financeira de 2008, quando teve perdas de mais de 40%, o que levou a empresa a interromper as retiradas de investidores. No total, a Autonomy gerou retorno anual de quase 9% desde o lançamento, disse uma pessoa a par do assunto.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos