Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,48 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,98 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,43
    -4,06 (-4,86%)
     
  • OURO

    1.651,70
    -29,40 (-1,75%)
     
  • BTC-USD

    18.907,10
    -460,46 (-2,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    434,61
    -9,92 (-2,23%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,27 (-1,62%)
     
  • FTSE

    7.018,60
    -140,92 (-1,97%)
     
  • HANG SENG

    17.933,27
    -214,68 (-1,18%)
     
  • NIKKEI

    27.153,83
    -159,30 (-0,58%)
     
  • NASDAQ

    11.388,00
    -177,50 (-1,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0976
    +0,0649 (+1,29%)
     

Atividade industrial da China registra contração pelo segundo mês consecutivo

A atividade industrial na China registrou contração em agosto pelo segundo mês consecutivo, com o setor afetado pelas restrições anticovid e a escassez energética provocada pela onda de calor, de acordo com os dados oficiais divulgados nesta quarta-feira.

O Índice de Gestores de Compras, indicador chave da produção industrial na segunda maior economia mundial, ficou abaixo dos 50 pontos, a barreira que separa o crescimento da contração, segundo o Escritório Nacional de Estatísticas (NBS).

Mesmo assim, o índice avançou na comparação com julho, passando de 49,0 para 49,4.

O setor foi impactado pelos confinamentos anticovid, que diminuíram a confiança dos consumidores e das empresas, e pela onda de calor em grandes partes do país, o que provocou o racionamento do fornecimento de energia elétrica às fábricas.

A economia enfrentou "fatores não favoráveis, incluindo a epidemia e as temperaturas elevadas este mês", afirmou Zhao Qinghe, diretor de estatísticas do NBS.

Em cinco dos últimos seis meses, o índice registrou contração da atividade industrial na China, ainda afetada pelos confinamentos e severas restrições contra a covid.

Apesar dos números, o governo mostra poucos sinais de uma eventual flexibilização das medidas.

Quase quatro milhões de pessoas entraram em confinamento na terça-feira na província que faz divisa com Pequim. Em Shenzhen, um pilar econômico no sul do país, o governo fechou o maior mercado de produtos eletrônicos do mundo após a detecção de dezenas de casos.

O governo chinês projeta um crescimento anual do PIB de 5,5%. Mas com o avanço de apenas 0,4% no segundo trimestre, muitos analisas consideram improvável alcançar a meta.

tjx/je/dan/dbh/zm/fp