Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.428,18
    -219,81 (-0,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.686,03
    -112,35 (-0,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,23
    -0,05 (-0,06%)
     
  • OURO

    1.764,60
    -3,70 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    61.279,90
    +1.835,38 (+3,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.430,53
    -21,11 (-1,45%)
     
  • S&P500

    4.486,46
    +15,09 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    35.258,61
    -36,15 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.203,83
    -30,20 (-0,42%)
     
  • HANG SENG

    25.409,75
    +78,75 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    29.025,46
    +474,56 (+1,66%)
     
  • NASDAQ

    15.292,25
    +157,75 (+1,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3991
    -0,0047 (-0,07%)
     

Atividade empresarial da zona do euro desacelera em setembro, mostra PMI

·2 minuto de leitura
Pessoas assistem a jogo de futebol em café de Berlim

(Reuters) - A atividade empresarial da zona do euro cresceu no ritmo mais fraco em cinco meses em setembro, uma vez que as contenções para limitar a variante Delta do coronavírus afetaram a demanda e as restrições na cadeia de oferta levaram os custos de insumos a uma máxima em mais de duas décadas, mostrou a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês).

O PMI Composto preliminar do IHS Markit caiu para a mínima em cinco meses de 56,1 em setembro, de 59,0 em agosto.

Embora tenha permanecido acima do nível de 50 que separa crescimento de contração pelo sétimo mês seguido, o índice ficou bem abaixo da estimativa em pesquisa da Reuters de 58,5.

"O PMI preliminar de setembro destaca uma combinação indesejada de crescimento econômico mais lento e forte alta dos preços", disse Chris Williamson, economista-chefe da IHS Markit.

"O crescimento deve enfraquecer mais nos próximos meses se os preços e os problemas de oferta não mostrarem sinais de enfraquecer, especialmente se acompanhado de qualquer aumento nos casos de vírus conforme avançamos para o outono (no hemisfério norte)".

O subíndice de custos de insumos atingiu 70,5, máxima em mais de duas décadas. Isso sugere que as distorções de oferta --um dos principais motores dos preços em todo o mundo nos últimos meses-- estão longe de serem resolvidas e que a tendência de inflação alta está aqui para ficar ao menos por alguns meses à frente.

De fato, o otimismo sobre a produção futura caiu para uma mínima em oito meses.

O PMI do setor de serviços do bloco recuou a 56,3 em setembro de 59,0 em agosto, mínima desde maio e bem abaixo da expectativa na pesquisa da Reuters de 58,5.

Já o PMI da indústria recuou a 58,7 de 61,4 em agosto, patamar mais fraco desde fevereiro e abaixo da expectativa de 60,3.

(Reportagem de Indradip Ghosh)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos