Mercado abrirá em 6 h 51 min

Atividade do comércio cai 27,8% no Dia dos Namorados, diz Serasa

No Dia das Mães, também marcado pelo distanciamento social, a queda havia sido de 30,7% Após amargar o Dia das Mães mais fraco da história, o comércio brasileiro voltou a registrar vendas no vermelho no Dia dos Namorados, embora os números mostrem uma desaceleração no ritmo de piora, segundo o Indicador de Atividade do Comércio divulgado nesta sexta-feira pela Serasa Experian.

Os números mostram que as vendas no varejo durante a semana do Dia dos Namorados (6 a 12 de junho) registraram queda de 27,8% em relação ao mesmo período do ano passado – no Dia das Mães, período também marcado pelo distanciamento social, a queda havia sido de 30,7%.

A retração das vendas no Dia dos Namorados deste ano se soma à queda de 2,9% observada em 2019 e representa o resultado mais fraco desde 2006, início da série histórica. Levando em conta apenas o fim de semana do Dia dos Namorados (5 a 7 de junho), houve queda de 26,0% ante os dias equivalentes de 2019.

Marcello Casal Jr/Agencia Brasil

Na avaliação do economista da Serasa Experian, Luiz Rabi, os dados no vermelho são um reflexo das medidas que impõem restrição a circulação de pessoas e da manutenção de estabelecimentos comerciais fechados.

Por outro lado, Rabi destaca que as recentes medidas de flexibilização do distanciamento social em algumas cidades do país, inclusive com a reabertura gradual do comércio, contribuíram para que a queda nas vendas fosse mais suave do que no Dia das Mães.

“Como boa parte do varejo ainda não está operando de forma plena, a retomada das vendas no comércio será de forma gradual. O cenário ainda é de retração nas vendas, mas um recuo menos intenso do que o visto no Dia das Mães”, afirma Rabi em comentário enviado à imprensa.

Segundo ele, “os comerciantes ainda estão se adequando a estrutura exigida pelas autoridades sanitárias, como funcionamento em horários alternativos e capacidade menor de atendimento. Do lado do consumidor, o desemprego crescente e a renda comprimida são fatores que os têm mantido distantes de gastos”.

Na cidade de São Paulo, onde já vigoram medidas de flexibilização no funcionamento do comércio de rua e shopping centers, as vendas também tiveram queda recorde, mas menos intenso do que no Dia das Mães: 23,4% na semana do Dia dos Namorados, contra 26,6% na do Dia das Mães.

Ainda na capital paulista, o movimento no fim de semana seguiu o registrado em todo o país e teve recuo de 21,4% com relação ao ano passado, aponta a Serasa Experian.