Mercado fechará em 1 h 40 min
  • BOVESPA

    129.820,86
    +379,83 (+0,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.292,73
    +6,27 (+0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,91
    0,00 (0,00%)
     
  • OURO

    1.865,60
    -14,00 (-0,74%)
     
  • BTC-USD

    40.088,14
    +2.640,81 (+7,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.002,01
    +33,16 (+3,42%)
     
  • S&P500

    4.235,82
    -11,62 (-0,27%)
     
  • DOW JONES

    34.224,71
    -254,89 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.063,00
    +68,75 (+0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1528
    -0,0398 (-0,64%)
     

Ataques de ransomware começam a focar em corporações bilionárias

·2 minuto de leitura

Cada vez mais comuns, operações criminosas envolvendo o uso de ransomware estão se tornando mais complexas e especializadas. Um estudo conduzido pela empresa de segurança Trend Micro mostra que grupos que usam a ferramenta estão voltando sua ação cada vez mais a corporações que possuem receitas superiores a US$ 1 bilhão.

O motivo para isso é simples: dinheiro. Quanto maiores as corporações, mais suscetíveis elas estão a ter problemas resultantes da paralisação de suas atividades — e mais dispostas elas se mostram a pagar as grandes somas exigidas como resgate para voltar a operar sob parâmetros normais.

Imagem: Captura de Tela/Canaltech
Imagem: Captura de Tela/Canaltech

“Os ataques de ransomware modernos são altamente direcionados, adaptáveis e furtivos”, afirma Bob McArdle, diretor de pesquisa de crimes cibernéticos da Trend Micro. “Ao roubar dados e bloquear sistemas importantes, grupos como o Nefilim procuram extorquir organizações globais altamente lucrativas”.

Brechas conhecidas são as mais usadas pelos criminosos

Segundo o estudo, as entidades criminosas que atuam no mercado de ransomware já possuem lucro suficiente para explorar vulnerabilidades de dia 0 em alvos de alto perfil. Usando o Nefilim como estudo de caso, a Trend Micro explica que, para se infiltrar em organização, os grupos usam métodos como phishing, exploração de brechas de segurança e até mesmo pagamentos para agentes internos que trabalham nas companhias-alvo.

Imagem: Captura de Tela/Canaltech
Imagem: Captura de Tela/Canaltech

A empresa de segurança também alerta que a maioria dos ataques continua explorando falhas de segurança já conhecidas e que, muitas vezes, já foram corrigidas. Ao The Register, a companhia explicou que as organizações criminosas atuais são tão organizadas e especializadas quanto o mercado de tecnologia de informação, o que explica os motivos pelo qual cada grupo se especializa em tipos bastante específicos de ataques.

O maior alerta que a Trend Micro faz é que, na prática, não há nada realmente único na maneira como os grupos criminosos estudados agem. A melhor forma de se proteger deles continua sendo apostar na atualização de sistemas e na implementação de políticas de segurança que garantem que ameaças já contempladas por empresas da área não passem despercebidas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: