Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.541,95
    -1.079,62 (-1,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.524,45
    -537,16 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    106,16
    +0,40 (+0,38%)
     
  • OURO

    1.805,90
    -1,40 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    20.344,06
    +317,70 (+1,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    436,25
    +4,78 (+1,11%)
     
  • S&P500

    3.785,38
    -33,45 (-0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.775,43
    -253,88 (-0,82%)
     
  • FTSE

    7.169,28
    -143,04 (-1,96%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    26.264,77
    -128,27 (-0,49%)
     
  • NASDAQ

    11.489,50
    -40,00 (-0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4973
    -0,0083 (-0,15%)
     

Ataques DDoS aumentaram quase 75% no início de 2022

A guerra da Rússia contra a Ucrânia e as movimentações ativistas e políticas do primeiro trimestre deste ano levaram a um crescimento de quase 75% no volume de ataques DDoS. Foram destaque as chamadas micro-inundações, golpes que envolvem baixa transferência de dados, que mais do que dobraram em relação ao final do ano passado, mostrando uma tentativa dos atacantes de permanecer sob o radar.

Os dados são da Radware, fornecedora de soluções de segurança e aplicações. De acordo com a empresa, houve crescimento de 125% nesta categoria ofensiva, com volumes de dados entre 10 Mbps e 1 Gbps, que os tornam muito mais difíceis de serem detectados e combatidos. Os setores de educação (40%), telecom (27%) e saúde (19%) foram os principais alvos, com as Américas concentrando mais de 55% das ocorrências.

A empresa associa tais golpes não apenas à movimentação de cibercriminosos e hacktivistas, mas também ao público em geral, com a divulgação de sites que, quando acessados, lançavam volumes de acessos contra serviços russos em apoio à Ucrânia. “O primeiro trimestre será lembrado por muito tempo pela instabilidade geopolítica, mas também por novos grupos reescrevendo as formas de ataques DDoS. A socialização de ataques e a convocação de pessoas para se juntarem à luta dessensibilizou os usuários, ao ponto de não perceberem que [este] é um crime”, explicou Pascal Geenens, diretor de inteligência de ameaças da Radware.

Ataques DDoS também trouxeram à tona novas ameaças

Ele também apontou o surgimento de novas ameaças, com vetores consolidados de golpes contra a camada de aplicações. Aqui, houve um crescimento de 126% nas transações de bots maliciosos, na comparação com o mesmo período do ano passado, com setores de alta tecnologia (31%) e varejista (27%) sendo os mais afetados, seguidos por telecom e transporte, com 21% cada.

A Radware destaca ainda um foco maior no segmento de finanças descentralizadas, com câmbios e bancos de criptomoedas na mira dos criminosos, principalmente após sanções que impediram seu uso por cidadãos da Rússia. A Coreia do Norte também apareceu como uma origem importante dos ataques, aproveitando o momento de turbulência para operações de espionagem e extração de dados.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos