Mercado fechado
  • BOVESPA

    123.576,56
    +1.060,82 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.633,91
    +764,43 (+1,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,29
    -0,27 (-0,38%)
     
  • OURO

    1.809,10
    -1,00 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    38.104,01
    -1.000,09 (-2,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    930,03
    -13,41 (-1,42%)
     
  • S&P500

    4.423,15
    +35,99 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    35.116,40
    +278,24 (+0,80%)
     
  • FTSE

    7.105,72
    +24,00 (+0,34%)
     
  • HANG SENG

    26.194,82
    -40,98 (-0,16%)
     
  • NIKKEI

    27.554,68
    -87,15 (-0,32%)
     
  • NASDAQ

    15.031,50
    -14,75 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1739
    +0,0084 (+0,14%)
     

Ataque aéreo de forças da Etiópia deixa 64 mortos na região do Tigré

·4 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em meio a um conflito que se prolonga há meses na Etiópia, um ataque aéreo de forças do governo a um mercado na terça (22) deixou ao menos 64 mortos e 180 feridos em Togoga, na província do Tigré.

O levantamento provisório foi elaborado pela população e por líderes locais, que também acusam o Exército etíope de impedir o acesso de socorristas à região para transferir feridos a um hospital em Mekele, capital da província ao Norte do país. Até esta quinta (24), 73 feridos haviam sido encaminhados para o centro médico, e, de acordo com testemunhas, dezenas de vítimas seguem sob os escombros.

O conflito teve início em novembro do último ano, quando o primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed Ali, anunciou uma ofensiva militar contra a Frente de Libertação dos Povos do Tigré (FLPT), partido nacionalista que governa a região do Tigré. Ele justificou a medida acusando as tropas adversárias de atacar uma base militar do governo para roubar armas e outros equipamentos bélicos.

Desde então, a província é palco de uma série de enfrentamentos armados que, segundo estimativas da ONU (Organização das Nações Unidas), já levaram 350 mil pessoas à beira da fome e milhões a abandonar suas casas rumo a outros países, em especial o Sudão.

O Exército etíope confirmou o ataque de terça, mas disse que a operação mirava combatentes ligados às autoridades do Tigré, versão contrariada por testemunhas, para quem apenas civis estavam no mercado.

Em comunicado enviado ao governo da Etiópia nesta quinta, o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, condenou o ataque e pediu que o governo libere o acesso dos socorristas à região. "Negar atenção médica com urgência às vítimas que necessitam é cruel e inaceitável", afirmou no documento.

A porta-voz da ONU Stephane Dujarric disse que o secretário-geral da organização, o português António Guterres, está profundamente consternado. "Solicitamos acesso à área para avaliar a situação e ver como podermos prestar assistência. A situação na região é muito, muito difícil."​

O papa Francisco também expressou preocupação com os enfrentamentos armados e pediu fraternidade. "As diferenças étnicas e de lutas por poder se transformaram em um sistema", declarou o pontífice.

É em meio a esse cenário que, na segunda (21), os etíopes votaram para eleger novos parlamentares e líderes regionais. O pleito estava marcado inicialmente para agosto de 2020, mas foi adiado em razão da pandemia de Covid-19, que matou 4.292 pessoas no país até esta quarta (24), de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins.

A eleição, cujos resultados ainda não foram divulgados, deve se prolongar pelos próximos meses, já que 20% dos distritos eleitorais do país não puderam realizar a votação devido a fatores como violência ou problemas logísticos. Os habitantes dessas regiões devem votar em 6 de setembro.

Na província do Tigré, onde segue o conflito mais grave, a votação também não foi realizada nos 38 distritos eleitorais, e o governo nacional ainda não divulgou uma nova data.

O Partido da Prosperidade, legenda do atual primeiro-ministro, é o favorito para obter a maioria dos votos. Ainda assim, a figura do premiê tem sido questionada desde o início dos conflitos no Tigré, especialmente por Abiy Ahmed ter ganho o Prêmio Nobel da Paz em 2019 com uma defesa contra a guerra.

Os enfrentamentos armados colocam em xeque também o discurso de privilegiar o sentimento nacional em detrimento das disputas étnicas, que o premiê adotou ao assumir o posto em abril de 2018. A eleição de Abiy Ahmed, membro da etnia omoro —a maior do país— foi vista como uma perda de poder relativo pelos tigrínios, já que a Frente de Libertação dos Povos do Tigré governou o país por cerca de três décadas.

Foram as eleições, aliás, que acenderam a faísca entre o governo de Abiy Ahmed e a FLPT. Os opositores não aceitaram o adiamento do pleito em 2020 e mantiveram seus próprios processos, que elegeram Debretsion Gebremichael como líder local em setembro —a Etiópia é dividida em nove regiões administrativas que, em tese, teriam autonomia. O governo central, porém, não reconheceu a legalidade do processo.

As ofensivas militares dos últimos meses fizeram aumentar as acusações de que Abiy Ahmed está perseguindo o povo do Tigré por motivações étnicas. O governo já vinha sendo acusado de demitir oficiais tigrínios de postos proeminentes no país.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos