Mercado fechará em 4 h 33 min
  • BOVESPA

    109.822,20
    -366,37 (-0,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.020,65
    +221,19 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,12
    -0,13 (-0,18%)
     
  • OURO

    1.789,70
    +7,30 (+0,41%)
     
  • BTC-USD

    16.858,11
    -162,03 (-0,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    395,78
    -6,03 (-1,50%)
     
  • S&P500

    3.941,26
    -57,58 (-1,44%)
     
  • DOW JONES

    33.596,34
    -350,76 (-1,03%)
     
  • FTSE

    7.516,32
    -5,07 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    18.814,82
    -626,36 (-3,22%)
     
  • NIKKEI

    27.686,40
    -199,47 (-0,72%)
     
  • NASDAQ

    11.515,50
    -50,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4941
    +0,0154 (+0,28%)
     

Ata do Fed pode mostrar debate sobre riscos das altas agressivas de juros

Sede do Fed em Washington

Por Howard Schneider

WASHINGTON (Reuters) - Depois de uma corrida este ano para aumentar a taxa de juros, o Federal Reserve mudou este mês para uma abordagem mais sutil, vista como um meio-termo entre as autoridades mais preocupadas com a inflação e aquelas temerosas de que mais aumentos fortes dos juros possam abalar a economia ou estressar os mercados.

A ata da reunião de 1 a 2 de novembro, que será divulgada nesta quarta-feira, pode mostrar o tamanho de qualquer desentendimento que tenha começado a surgir no banco central, conforme o Fed encerra o esforço para aumentar os juros e começa a avaliar passos menores para uma eventual parada.

O comunicado de política monetária do Fed divulgado em 2 de novembro tentou preencher quaisquer lacunas, prometendo "aumentos contínuos" até que os juros estejam "suficientemente restritivos" para controlar a inflação, ao mesmo tempo em que disse que o tamanho dos próximos aumentos levará em conta o "aperto acumulado" até agora, bem como o fato de que o impacto desses aumentos pode levar um tempo para ser sentido.

O que não está claro: até que ponto as autoridades do Fed acham que precisam aumentar os juros, e com que intensidade o senso de risco está mudando para preocupações sobre "exceder" e causar mais danos à economia do que o necessário para controlar a inflação.

A ata "pode mostrar algumas diferenças cada vez maiores entre as autoridades que querem adotar uma abordagem de esperar para ver e aquelas... que continuam a apresentar uma visão mais definitiva de que as condições financeiras precisarão ser mais apertadas", escreveram analistas do Citi no domingo.

Neste ponto, o chair do Fed, Jerome Powell e até as autoridades mais tradicionalmente "dovish" permanecem alinhados com novos aumentos, e Powell disse que os riscos são de fazer muito pouco para corrigir o pior surto de inflação desde a década de 1980.