Mercado abrirá em 2 h 8 min
  • BOVESPA

    115.882,30
    -581,70 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.262,01
    -791,59 (-1,76%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,39
    -0,46 (-0,87%)
     
  • OURO

    1.840,90
    -8,00 (-0,43%)
     
  • BTC-USD

    31.364,55
    -37,20 (-0,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    631,86
    +4,20 (+0,67%)
     
  • S&P500

    3.750,77
    -98,85 (-2,57%)
     
  • DOW JONES

    30.303,17
    -633,83 (-2,05%)
     
  • FTSE

    6.443,31
    -124,06 (-1,89%)
     
  • HANG SENG

    28.550,77
    -746,76 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.197,42
    -437,79 (-1,53%)
     
  • NASDAQ

    12.951,25
    -154,25 (-1,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5480
    -0,0057 (-0,09%)
     

Ata do Fed pode jogar luz sobre planos de compra de títulos e visão sobre vacina

Howard Schneider
·3 minuto de leitura
Selo do Federal Reserve

Por Howard Schneider

WASHINGTON (Reuters) - A decisão do Federal Reserve em dezembro de deixar suas compras mensais de títulos inalteradas desanimou analistas e investidores que consideraram que o banco central dos Estados Unidos deveria ter expandido o programa para apoiar melhor a economia durante a pandemia do coronavírus.

A ata dessa reunião será divulgada nesta quarta-feira e provavelmente detalhará o que motivou essa decisão e como o Fed está incorporando a promessa de uma vacina contra o coronavírus em seus planos.

O ponto de maior interesse do mercado será qualquer avaliação que o documento possa trazer sobre o que seria necessário para os membros do Fomc mudarem a política monetária nos próximos meses caso a imunização generalizada desencadeie uma recuperação econômica mais forte.

A ata será divulgada às 16h (horário de Brasília), e autoridades do Fed nos últimos dias já começaram a esboçar a próxima fase de seu debate --discussão que provavelmente dependerá do sucesso do país em aplicar vacinas de coronavírus para seus 330 milhões de habitantes.

"Quanto mais rápido tivermos isso sob controle, mais robusta será a recuperação", disse o presidente do Federal Reserve de Atlanta, Raphael Bostic, em entrevista à Reuters nesta semana.

O Fed disse em dezembro que manterá as compras de títulos "até que um progresso substancial seja feito" no sentido de retornar a economia ao pleno emprego e elevar a inflação para a meta de 2%. Bostic disse sentir que essa condição pode ser satisfeita "em pouco tempo" neste ano se a vacinação for bem-sucedida.

A ata deve trazer uma ideia de como o Fed vê essa meta de maneira ampla.

A presidente do Federal Reserve de Cleveland, Loretta Mester, no entanto, disse que mesmo a melhora na taxa de desemprego dificilmente justificará quaisquer mudanças no programa de títulos neste ano.

"Estou feliz com a forma como a política monetária está sendo calibrada agora... Mas, novamente, realmente vai depender da economia", disse Mester na terça-feira.

Ainda assim, não está claro quão rápido a vacina permitirá um retorno do comércio à normalidade --especialmente considerando que o progresso na vacinação tem sido mais lento do que o esperado-- ou se levará o Fed a mudar suas compras de ativos.

A decisão sobre quando restringir o programa e como fazer esse anúncio tem consequências: um passo em falso, mesmo dizer a coisa errada na hora errada, pode levar a taxa de juros a subir e consumidores e empresas a reduzirem gastos e empréstimos.

O risco desse tipo de "tantrum" com os mercados saindo de um ano de pandemia significa que a compra de títulos pelo Fed permanecerá em modo espera durante o ano, escreveram analistas da Cornerstone Macro nesta semana.

No mercado financeiro, "tantrum" é um termo usado em referência a uma violenta reação de investidores a mudanças em condições de liquidez e de estímulos. O episódio mais famoso, que ficou conhecido como "taper tantrum", é de maio de 2013, quando os yields dos Treasuries dispararam após o Fed sinalizar redução de estímulos.