Mercado fechado

Até os Vingadores ficam pistola com insistência da Marvel sobre o multiverso

Eu gosto do de tramas multiversais, assim como vários fãs de quadrinhos e ficção científica. Mas a insistência da Marvel nesse assunto, seja no Universo Cinematográfico Marvel (MCU, na sigla em inglês) ou nos quadrinhos chegam a irritar um pouco. Isso acontece porque, na verdade, parece que a Casa das Ideias está mais preocupada com seus próprios planos relacionados ao assunto, do que em contar boas histórias. E uma nova HQ da editora mostra que até os Vingadores estão de saco cheio disso.

Atenção, spoilers de Avengers #58 à frente!

Como todo mundo que acompanha os heróis da Casa das Ideias sabe, a companhia vem investindo bastante no tema multiverso — já expliquei aqui as várias razões disso. E um dos motivos listado na matéria que escrevi anteriormente foi confirmado na própria revista dos Vingadores, em Avengers #58, lançada nesta quarta-feira (20).

Nas últimas edições, os Maiores Heróis do Mundo têm viajado pelo multiverso para tentar impedir que o Conselho Vermelho, formado por vários Mefisto de diferentes linhas temporais da Terra-616 (a principal), destrua o ponto inicial da Era dos Heróis. Assim, os Vingadores têm passado por diferentes timelines, encontrando outras versões de heróis e vilões conhecidos, ao longo de todos os capítulos até aqui — recentemente eles deram de cara com o “Motoqueiro Fantasma samurai” do Japão feudal.

Ah, sim, saiba mais sobre Terras paralelas e linhas temporais da Marvel aqui.

Isso até soa bastante divertido, não fosse o fato de que muito dessa trama não chega a lugar algum. O argumento inicial, sobre a caça dos Vingadores ao Conselho Vermelho, não progride na trama. Parece ser mesmo somente uma justificativa para a Marvel preencher melhor seu multiverso, que nunca recebeu muita atenção ou detalhes — as Terras paralelas e linhas temporais da Casa das Ideias nunca ganharam tanta atenção ou detalhes como agora.

Não há problemas, em fazer isso, contudo, o atual arco dos Vingadores parece ser uma enrolação sem fim. E até os Vingadores — e os autores — sabem disso. Em uma das páginas de Avengers #58, a equipe se reúne para conversar e o Homem de Ferro destaca que a equipe não deveria estar na linha temporal quando encontraram o Ghost Ronin (o Motoqueiro Fantasma samurai). Eles viajaram para essa época para salvá-lo, mas, na verdade, o Ghost Ronin nem precisava de ajuda.

A atual Fênix (Maya Lopez, que já foi a personagem Echo) complementa o que Stark diz, afirmando que o objetivo principal da equipe, que era o de encontrar o “ponto de gênese da Era dos Heróis”, sempre acaba ficando em segundo plano. A razão disso são as interferências de Mefisto, que sempre tiram os Vingadores do foco da missão.

Os próprios Vingadores reclamam das tramas sem propósito no multiverso (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)
Os próprios Vingadores reclamam das tramas sem propósito no multiverso (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)

Desde que essa missão foi divulgada, em Avengers #50, foram oito edições com os heróis sendo desviados do caminho para encontrar outras linhas temporais e diferentes versões de nosso mundo e personagens conhecidos. Ou seja, foram páginas e páginas de aventuras que não dão andamento à trama, apenas servem para preencher os espaços vazios do multiverso Marvel.

O curioso aqui é o fato de os próprios Vingadores expressarem a frustração de muitos leitores — e provavelmente dos autores. A boa notícia é que, se eles destacaram isso nas páginas da HQ, quer dizer que o confronto com o Conselho Vermelho — e o fim das andanças sem propósito no multiverso — está próximo de uma conclusão.

Avengers #58 tem roteiros de Jason Aaron e arte de Javier Garròn e David Curiel.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos