Mercado fechará em 3 h 37 min
  • BOVESPA

    115.088,26
    -579,52 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.366,89
    +215,51 (+0,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,30
    +0,08 (+0,13%)
     
  • OURO

    1.776,00
    -21,90 (-1,22%)
     
  • BTC-USD

    51.182,07
    +2.244,46 (+4,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.026,02
    +31,35 (+3,15%)
     
  • S&P500

    3.892,67
    -32,76 (-0,83%)
     
  • DOW JONES

    31.809,68
    -152,18 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.668,10
    +9,13 (+0,14%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    13.152,00
    -150,00 (-1,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7080
    +0,1375 (+2,09%)
     

Até fevereiro haverá uma "avalanche" de propostas de venda de vacinas contra Covid-19 ao Brasil, diz Pazuello

Lisandra Paraguassu
·1 minuto de leitura
Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, em São Paulo

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da saúde, Eduardo Pazuello, afirmou nesta quarta-feira que entre o final deste mês e o início de fevereiro haverá uma "avalanche de laboratórios" apresentando propostas de venda de vacinas contra Covid-19 ao Brasil.

Em um evento com o Conselho do Secretários Municipais de Saúde (Conasems), Pazuello afirmou que existem cerca de 270 iniciativas de novas vacinas no mundo.

"Temos que estar com muita atenção e cuidado para estarmos com elas disponíveis o mais rápido possível dentro da atenção e da segurança e eficácia e da nossa capacidade de colocá-las no lugar certo e na hora certa", disse o ministro.

Pazuello disse ainda que o governo brasileiro está no processo de receber as novas doses da Coronavac que estão já prontas.

Apesar das várias iniciativas, o governo brasileiro não tem acordo com nenhum laboratório além da AstraZeneca, cuja vacina será produzida pela Fundação Oswaldo Cruz, e o acerto para a compra das doses da chinesa CoronaVac entregues ou produzidas pelo Instituto Butantan, ligado ao governo paulista.

O país participa da iniciativa da Organização Mundial de Saúde (OMS) Covax Facilities com a previsão de compra de 42 milhões de doses apenas. O governo mantém negociações com a Pfizer.