Mercado fechará em 4 h 44 min
  • BOVESPA

    108.955,26
    -21,45 (-0,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,36 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,34
    -1,94 (-2,54%)
     
  • OURO

    1.750,70
    -3,30 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    16.187,32
    -364,93 (-2,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,53
    -3,12 (-0,82%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,93 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.453,89
    -32,78 (-0,44%)
     
  • HANG SENG

    17.297,94
    -275,64 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    28.162,83
    -120,20 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.700,50
    -82,25 (-0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6379
    +0,0135 (+0,24%)
     

Até concorrentes se unem e enviam carta a Lira pedindo aprovação de lei das criptomoedas

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 14.07.2022 - O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 14.07.2022 - O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), a Associação Brasileira de Criptoeconomia (ABCripto) e mais quatro entidades que representam 1.051 empresas, entre elas as gigantes Meta (Facebook), Microsoft e IBM, enviaram uma carta conjunta ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PL), pedindo pela aprovação do projeto de lei que regulamenta o mercado de criptomoedas.

No documento, obtido pela Folha de S.Paulo, os signatários afirmam que a proposta é fundamental para o desenvolvimento do setor, evitando que ele sirva para a lavagem de dinheiro e as fraudes financeiras.

Os signatários ressaltam que mais de 6 milhões de investidores brasileiros possuem criptoativos –mais do que as pessoas físicas cadastradas na Bolsa de Valores de São Paulo.

O projeto de lei já foi aprovado pelo Senado e está pronto para ser votado pelo plenário da Câmara desde junho deste ano.

O relatório final, do deputado Expedito Netto (PSD-RO), prevê, entre outros pontos, que as empresas do segmento devem se instalar formalmente no Brasil e ser fiscalizadas por um órgão federal. Há ainda a obrigação de adotar procedimentos que impeçam a prática de crimes financeiros.

"O marco regulatório é discutido desde 2015 pelo Congresso e seu texto amadureceu concomitantemente ao mercado. O atual relatório traz importantes avanços, tais como princípios de prevenção à lavagem de dinheiro e o combate às fraudes financeiras", diz a carta.

As entidades afirmam que a aprovação será o primeiro passo para discussões mais aprofundadas de regulamentação, a cargo do Executivo.

"Há um consenso no mercado sobre a necessidade de uma regulamentação equilibrada e pensada de forma a ampliar a competitividade das empresas, concedendo tempo hábil suficiente para a ampla ciência e adequação às novas regras a serem cumpridas por seus operadores. Ou seja, entendemos que se faz-se necessária a sua implementação, com a maior brevidade possível, inclusive dos mecanismos fiscalizatórios, para garantir a adequação do setor às regulações necessárias", escrevem.

A carta diz que estudo encomendado pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) mostra que 60% dos brasileiros que conhecem criptoativos consideram importante haver propostas políticas sobre o tema.

"Para além de seu potencial de atração de investimentos, criação de novos empregos e do desenvolvimento de novas tecnologias ligadas à blockchain, a criptoeconomia pode auxiliar na inclusão financeira de milhares de brasileiros, facilitando pagamentos para pessoas e pequenos negócios ao redor do país e do mundo", argumentam as entidades.

Além de representar uma pressão conjunta sem precedentes, o documento surpreende por unir num mesmo propósito setores que tradicionalmente são concorrentes, como os bancos e as corretoras de criptoativos.

Além da Febraban, com 114 instituições, e da ABCripto, que reúne 12 empresas, são signatárias da carta a Zetta (que integra 24 provedoras de serviços digitais, como Nubank e Picpay); a Brasscom, com 87 companhias dos setores de tecnologia da informação e de tecnologias digitais, entre eles a Meta, a Microsoft e a IBM; a ABFintech, com 514 representantes do segmento de fintechs; e a Abranet, que tem outras 300 integrantes com atuação no ramo de internet.