Mercado fechará em 4 h 25 min
  • BOVESPA

    110.644,69
    +1.751,37 (+1,61%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.778,87
    +104,57 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,06
    -0,28 (-0,62%)
     
  • OURO

    1.816,40
    +35,50 (+1,99%)
     
  • BTC-USD

    18.910,67
    -489,10 (-2,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    370,84
    -9,02 (-2,37%)
     
  • S&P500

    3.653,69
    +32,06 (+0,89%)
     
  • DOW JONES

    29.914,60
    +275,96 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.376,20
    +110,01 (+1,76%)
     
  • HANG SENG

    26.567,68
    +226,19 (+0,86%)
     
  • NIKKEI

    26.787,54
    +353,92 (+1,34%)
     
  • NASDAQ

    12.373,75
    +96,75 (+0,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3197
    -0,0415 (-0,65%)
     

Astronautas na ISS fotografam aproximação do cometa NEOWISE; veja imagens

Daniele Cavalcante
·2 minuto de leitura

O Cometa NEOWISE, também chamado de C/2020 F3, tem sido motivo de entusiasmo para astrônomos e até mesmo para os astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS). Enquanto se espera que ele se torne brilhante o suficiente para ser visto a olho nu, Bob Behnken e Ivan Vagner o fotografaram do espaço no último fim de semana.

Quando foi descoberto no final de março, o cometa gelado estava com brilho bastante fraco, e os astrônomos não tinham certeza de que isso mudaria em algum momento. Mas, com o passar do tempo, o cometa se tornou cada vez mais luminoso, chamando a atenção dos observadores após a decepção com outros dois cometas promissores que desapareceram recentemente.

Bob Behnken, astronauta que foi à ISS a bordo da Crew Dragon no final de maio, publicou suas fotos do cometa em sua conta no Twitter no domingo (5). O cosmonauta russo Ivan Vagner também fotografou o cometa, mas de uma perspectiva diferente, dando a impressão de que o cometa está caindo na Terra.

A imagem de Vagner é particularmente fascinante porque nela podemos distinguir claramente a cauda do NEOWISE, que é formada pela radiação do Sol que empurra a poeira do coma, uma espécie de bolha ao redor do cometa, enquanto o gelo se aquece e se transforma em gás.

Foto: Ivan Vagner/Roscosmos/NASA
Foto: Ivan Vagner/Roscosmos/NASA

Em 3 de julho de 2020, o cometa passou pelo seu periélio, ou seja, a maior aproximação do Sol durante seu trajeto orbital, a uma distância de 0,29 UA (equivalente a 43 milhões de km). No entanto, espera-se que ele se torne visível a olho nu quando fizer sua maior aproximação da Terra, o que acontecerá entre os dias 22 e 23 de julho. Por enquanto, os que tiverem um bom par de binóculos adequados para astronomia podem observar o cometa no céu noturno.

Fonte: Canaltech