Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.580,79
    +234,97 (+0,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.304,04
    -72,85 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,48
    +0,71 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.864,60
    -0,80 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    29.606,88
    +391,35 (+1,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    660,39
    +4,57 (+0,70%)
     
  • S&P500

    3.941,48
    -32,27 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.928,62
    +48,38 (+0,15%)
     
  • FTSE

    7.484,35
    -29,09 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    20.112,10
    -357,96 (-1,75%)
     
  • NIKKEI

    26.692,81
    -55,33 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.826,75
    +55,75 (+0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1686
    -0,0036 (-0,07%)
     

Astronautas fazem experimento arqueológico na Estação Espacial Internacional

·2 min de leitura

O primeiro projeto arqueológico executado fora da Terra já está em andamento na Estação Espacial Internacional (ISS). Trata-se do projeto International Space Station Archaeological Project (ISSAP), iniciativa liderada pelo Dr. Justin Walsh, da Chapman University, e Dr. Alice Gorman, da Flinders University, junto de uma equipe de pesquisadores internacionais que querem realizar o primeiro estudo arqueológico de um habitat espacial.

Walsh descreve que os membros do projeto ISSAP são os primeiros a tentar entender como os humanos se relacionam com os itens junto dos quais vivem no espaço. “Ao trazer perspectivas arqueológicas para um domínio espacial ativo, seremos os primeiros a mostrar como as pessoas adaptam seu comportamento a um ambiente completamente novo”, disse ele.

A primeira atividade do projeto é o experimento Sampling Quadrangle Assemblages Research Experiment (SQuARE), que levou ao espaço uma versão adaptada da técnica mais básica de coleta de amostras em um sítio arqueológico. Na Terra, os arqueólogos escavam áreas de um metro quadrado para entender o local e elaborar novas estratégias de estudo. Já a equipe do ISSAP fará isso com marcações de fita adesiva a bordo da ISS.

Durante o experimento, eles vão usar a fita para definir áreas de um metro quadrado no laboratório orbital, que serão fotografadas diariamente para os arqueólogos do projeto estudarem como estes espaços são usados. “Ao invés de cavar para revelar novas camadas de solo, que representam diferentes momentos da história do sítio, vamos fotografar os momentos todos os dias para identificar como os espaços são usados e como mudam ao longo do tempo”, disse Gorman.

Ela explica que, como os pesquisadores não vão poder viajar à estação para realizar o experimento, eles decidiram usar fotografias durante anos para registrar mudanças no estilo de vida e composição cultural da ISS. “As imagens incluem metadados de horário e data, que se tornam uma escavação, ligando o conteúdo das imagens aos momentos no tempo”, comentou. Kayla Barron, astronauta da NASA, já instalou os quadrados em locais voltados para o trabalho e lazer, como uma mesa de cozinha, uma estação de trabalho, entre outros.

Segundo a agência espacial norte-americana, os quadrados vão ajudar a documentar o uso dos itens ao longo do tempo, transformando a ISS em um grande sítio arqueológico espacial. Como parte do experimento, os tripulantes escolheram uma localização extra para o estudo com base no que avaliaram que seria interessante documentar. Então, o último quadrado foi posicionado em um dos racks do módulo Destiny, dos Estados Unidos. A produção das fotografias já está em andamento e deve continuar durante 60 dias.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos