Mercado abrirá em 2 h 3 min
  • BOVESPA

    112.486,01
    +1.576,40 (+1,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.684,86
    +1.510,80 (+3,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,48
    -0,07 (-0,09%)
     
  • OURO

    1.790,90
    +31,00 (+1,76%)
     
  • BTC-USD

    17.111,54
    +239,94 (+1,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    405,23
    +4,53 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.080,11
    +122,48 (+3,09%)
     
  • DOW JONES

    34.589,77
    +737,24 (+2,18%)
     
  • FTSE

    7.573,39
    +0,34 (+0,00%)
     
  • HANG SENG

    18.736,44
    +139,21 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    28.226,08
    +257,09 (+0,92%)
     
  • NASDAQ

    12.008,50
    -33,75 (-0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4083
    +0,0118 (+0,22%)
     

Astronautas em missões a Marte podem ser expostos a altos níveis de radiação

Em um estudo, uma equipe de cientistas de diversas instituições europeias analisou a radiação cumulativa à qual uma tripulação seria exposta em uma missão de longa duração a Marte. Eles descobriram que, em um cenário de 600 dias de viagem ao Planeta Vermelho e 400 dias na superfície marciana, os tripulantes seriam expostos a níveis de radiação muito além do recomendado, mesmo se usassem escudos metálicos para proteção.

A maior parte das pesquisas sobre radiação espacial é focada nos efeitos no corpo humano masculino. Assim, para este estudo, os autores adotaram uma abordagem mais ampla, com modelos virtuais da anatomia humana masculina e feminina, que receberam diferentes simulações de radiação cósmica — incluindo a das erupções solares, eventos no Sol que liberam intensas explosões de radiação.

O estudo mostrou que os astronautas vão estar expostos à radiação de origem solar e galáctica durante missões em Marte(Imagem: Reprodução/NASA)
O estudo mostrou que os astronautas vão estar expostos à radiação de origem solar e galáctica durante missões em Marte(Imagem: Reprodução/NASA)

Os modelos representaram exposições à radiação com e sem proteções de alumínio. Depois, a equipe estudou os efeitos com softwares de monitoramento de partículas e avaliaram os impactos de uma missão de mil dias de duração total: os resultados mostraram que a maioria dos órgãos individuais teria níveis de radiação acima de um Sievert (unidade que mede a dosagem de radiação ionizante).

Hoje, a maioria das agências espaciais estima que nenhum astronauta deveria ser exposto a mais de um sievert de radiação ao longo de sua carreira inteira — no ano passado, um comitê propôs que a NASA adotasse 600 milésimos de Sievert como padrão máximo de exposição. Vale lembrar que, apesar de o estudo não ter sido revisado por pares, ele sugere que será preciso descobrir novas medidas de proteção para que astronautas possam ir a Marte em segurança no futuro.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado no repositório arXiv.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: