Mercado abrirá em 2 hs
  • BOVESPA

    111.399,91
    +2.506,91 (+2,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.895,63
    +1.116,73 (+2,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,68
    +0,13 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.828,20
    +9,30 (+0,51%)
     
  • BTC-USD

    19.086,24
    -85,50 (-0,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    374,31
    -5,55 (-1,46%)
     
  • S&P500

    3.662,45
    +40,82 (+1,13%)
     
  • DOW JONES

    29.823,92
    +185,32 (+0,63%)
     
  • FTSE

    6.397,06
    +12,33 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    26.532,58
    -35,10 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    26.800,98
    +13,44 (+0,05%)
     
  • NASDAQ

    12.439,75
    -12,50 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2999
    -0,0071 (-0,11%)
     

Astronautas em Marte poderão falar conosco em tempo real? Vídeo mostra que não!

Daniele Cavalcante
·2 minuto de leitura

Transformar Marte em uma segunda casa para seres humanos pode parecer um plano ambicioso demais para os dias de hoje, mas pessoas como Carl Sagan já cogitavam isso há algumas décadas. Atualmente, a NASA e a SpaceX já planejam suas primeiras missões tripuladas no Planeta Vermelho, mas há uma série de dificuldades devido à distância entre os dois mundos. Entre elas, a comunicação.

Se quisermos nos comunicar com astronautas em Marte, teremos que ser pacientes. Ainda que as ondas de rádio possam viajar à velocidade da luz, levaria algum tempo para que uma transmissão chegasse até o planeta vizinho, e ainda mais tempo até que uma resposta chegue até nós. Ou seja, comunicação em tempo real com uma futura civilização marciana parece inviável.

Quando ambos planetas estão em seu máximo ponto de aproximação, coisa que acontece uma vez a cada dois anos, a distância pode diminuir para “apenas” 54,6 milhões de quilômetros. Nesses casos, a luz levaria 3 minutos e 2 segundos para viajar entre Terra e Marte. A cada 15 anos, os planetas ficam ainda mais perto um do outro, mas não o suficiente para tornar a viagem de um fóton de luz significativamente mais curta.

No vídeo abaixo, podemos ver como seria a viagem dos sinais na velocidade da luz. Nada muito emocionante. Na verdade, viajar no Sistema Solar em uma nave à velocidade da luz poderia ser bem frustrante. Em uma escala cósmica, a velocidade da luz não parece tão incrível quanto nos filmes.

Quando lançar seus primeiros astronautas a Marte, a NASA pretende atualizar a comunicação espacial a rádio utilizada atualmente, substituindo-as por laser. Também será uma transmissão na velocidade da luz, mas os lasers serão capazes de enviar dados de 10 a 100 vezes a taxa das ondas de rádio, usando menos hardware. Isso poderá acelerar a transmissão de grandes arquivos, enviando pacotes de dados maiores de uma só vez.

Ainda assim, essa tecnologia será mais útil para a troca de arquivos muito grandes, como mapas do planeta criados pelas sondas robóticas, por exemplo. Para comunicação com os astronautas, que exigem a transferência de pacotes bem menores, a diferença será pouca. Mesmo se criássemos uma espécie de "WhatsApp interplanetário", usando o novo sistema a laser da NASA, ainda teremos que esperar mais de três minutos para que as mensagens (seja em texto, áudio ou vídeo) sejam visualizadas, e mais três minutos para recebermos a resposta.

Bom, apesar da pequena demora nas transmissões, é incrível pensar que um dia poderemos nos comunicar com pessoas que vivem em outro planeta, não é mesmo?

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: