Mercado abrirá em 17 mins
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,82 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,44 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,73
    +0,97 (+1,16%)
     
  • OURO

    1.802,30
    +6,00 (+0,33%)
     
  • BTC-USD

    63.020,47
    +2.577,12 (+4,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,70 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,92 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.231,73
    +27,18 (+0,38%)
     
  • HANG SENG

    26.132,03
    +5,10 (+0,02%)
     
  • NIKKEI

    28.600,41
    -204,44 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    15.376,00
    +35,00 (+0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5574
    -0,0234 (-0,36%)
     

Astronautas chineses retornam à Terra após missão espacial de 90 dias

·3 minuto de leitura
(Arquivo) Os três astronautaa chineses antes da decolagem da missão espacial Shenzhou-12, em 17 de junho de 2021 no deserto de Gobi (AFP/GREG BAKER)

Três astronautas chineses retornaram nesta sexta-feira (17) à Terra após um período recorde de três meses a bordo da estação espacial do país, que está em construção.

A missão representou um marco para o país asiático em seu ambicioso programa de conquista do espaço.

Com o auxílio de paraquedas, a cápsula pousou nesta sexta-feira às 13h34 (2h34 de Brasília) no deserto de Gobi, noroeste do país, informou a agência espacial chinesa (CMSA).

Os três homens decolaram em 17 de junho do centro de lançamento de Jiuquan, perto do ponto de pouso desta sexta-feira. A missão Shenzhou-12 foi a mais longa do país no espaço.

"É muito bom estar de volta", declarou ao canal estatal CCTV o astronauta Tang Hongbo, de 45 anos, pouco depois de sair da cápsula.

"Pai, mãe, estou de volta! Estou com boa saúde e de bom humor", completou Hongbo, enquanto os companheiros de tripulação mais velhos, Nie Haisheng e Liu Boming, demonstravam um pouco mais de cansaço.

Huang Weifen, alto funcionário do programa espacial, afirmou que os três entraram em quarentena.

"A medida foi adotada para protegê-los, não pela covid-19, e sim porque a imunidade deles está menor por sua longa estada no espaço", disse Weifen.

- Êxito total -

A CMSA celebrou o "êxito total" da missão, que representa uma nova etapa no ambicioso programa espacial chinês, que já possui sondas na Lua e em Marte e prevê o envio de astronautas à Lua até 2030.

"A missão Shenzhou-12 alcançou o objetivo de ativar a nova estação e colocá-la em funcionamento", declarou à AFP Jonathan McDowell, astrônomo do Centro Harvard-Smithsonian de Astrofísica, nos Estados Unidos.

"Isto abre o caminho para futuras missões regulares na estação. Foi muito importante e realmente primordial alcançar o sucesso no início", destacou Chen Lan, analista do site GoTaikonauts.com, especializado no programa espacial chinês.

A CCTV exibiu ao vivo o retorno dos três homens, com direito a imagens de uma câmera a bordo da cápsula que mostrou o voo em grande velocidade sobre o deserto.

A bordo da Tianhe ("Heavenly Harmony"), o único dos três módulos da estação espacial que já está no espaço, os astronautas Nie Haisheng, Liu Boming e Tang Hongbo desempenharam várias tarefas.

A tripulação fez várias saídas ao espaço, operações de manutenção e também instalou equipamentos para tornar operacional a estação espacial, cujo primeiro elemento foi lançado em abril.

Uma vez concluída, a estação Tiangong ("Palácio Celestial", em português) terá dimensões similares às da antiga estação soviética Mir (1986-2001) e deve ter uma vida útil de pelo menos dez anos, segundo a agência espacial chinesa.

- Rivalidade China-EUA -

A ambição da China de construir uma estação foi estimulada pela recusa dos Estados Unidos de dar acesso ao país à Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), uma colaboração entre EUA, Rússia, Canadá, Europa e Japão.

A Shenzhou-12 é a primeira missão chinesa em quase cinco anos e uma questão de prestígio para o Partido Comunista, que celebra o centenário este ano.

Mas, os chineses estão no mesmo nível dos americanos?

"Embora a China esteja à frente da Europa em termos de voos espaciais tripulados, ainda há brechas a respeito dos Estados Unidos e estas vão demorar mais de uma década, ou inclusive mais, para serem superadas", opina Chen Lan.

Ele aponta a vantagem dos Estados Unidos em tecnologia e inclusive a redução de custos, com o uso atual de lançadores reutilizáveis para chegar à ISS.

"Mas o principal avanço americano reside na experiência", aponta McDowell.

"Os astronautas chineses, por exemplo, fizeram (durante esta missão) duas saídas espaciais. Está longe das centenas que acontecem com a ISS. Este número faz a diferença", afirma Chen Lan.

A missão Shenzhou-12 foi a terceira das 11 que serão necessárias para a construção da estação espacial, entre 2021 e 2022.

O próximo lançamento, da nave espacial Tianzhou-3, que transportará apenas equipamentos, acontecerá nos próximos dias, segundo as autoridades. Os sites especializados afirmam que ocorrerá na segunda-feira.

ehl/sbr/lch/mas-rsc/mis/fp/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos