Mercado abrirá em 1 h 51 min
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,98
    -0,17 (-0,27%)
     
  • OURO

    1.746,90
    +10,60 (+0,61%)
     
  • BTC-USD

    62.288,34
    -1.635,24 (-2,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.357,81
    -17,97 (-1,31%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.977,78
    +38,20 (+0,55%)
     
  • HANG SENG

    28.793,14
    -107,69 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    29.642,69
    +21,70 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    13.897,25
    +98,50 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7641
    -0,0088 (-0,13%)
     

Astronauta da NASA viajará com cosmonautas em nave russa rumo à ISS

Danielle Cassita
·3 minuto de leitura

Nesta terça-feira (9), a NASA anunciou que o astronauta Mark Vande Hei vai se juntar aos cosmonautas Oleg Novitskiy e Pyotr Dubrov, da agência espacial russa Roscosmos, no voo que será lançado em 9 de abril com destino à Estação Espacial Internacional (ISS). Durante sua estadia, Vande Hei irá servir como engenheiro de voo e membro da tripulação da Expedição 65, e o trio viajará com a nave Soyuz MS-18.

Eles deverão chegar à estação três horas depois da decolagem, juntando-se aos sete tripulantes que já estão a bordo. Vande Hei realizou seu primeiro voo espacial em 2018 durante a Expedição 53/54, e acumulou 168 dias no espaço, com quatro spacewalks realizados em um total de 26 horas e 42 minutos de atividades. Na missão, ele irá trabalhar em experimentos que vão beneficiar a vida na Terra e o entendimento de como viver no espaço, realizando estudos sobre os sistemas de raízes do algodão e o mal de Alzheimer.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Embora o anúncio tenha sido feito com apenas um mês à frente até o lançamento, a decisão da NASA não é exatamente uma surpresa, uma vez que já havia sido levantada a possibilidade de a agência espacial reservar um assento no veículo russo para levar um astronauta dos Estados Unidos à ISS e, assim, garantir a continuidade da presença norte-americana no laboratório orbital. Em um comunicado, a Roscosmos afirma que, devido a um pedido "urgente do lado norte-americano", eles concordaram em levar Vande Hei junto da tripulação da Soyuz MS-18/64S, e reafirmam o compromisso de acordos e o espírito do uso conjunto da ISS.

Por meio do Commercial Crew Program, a NASA contratou a SpaceX e a Boeing para desenvolver veículos para serem usados no transporte de astronautas norte-americanos à ISS, porque, se um veículo tivesse problemas, o outro poderia assumir a missão e não seria mais preciso depender dos veículos russos para o transporte espacial. Mesmo com atrasos durante o desenvolvimento, a SpaceX conseguiu lançar a Crew-1, a primeira missão totalmente operacional entre a empresa e a NASA, no ano passado, enquanto a nave Starliner, da Boeing, continua tendo seus primeiros voos adiados.

Já está tudo preparado para o lançamento da Crew-2, que deverá ocorrer em abril. Os astronautas da missão Crew-1 chegaram à estação com a cápsula Crew Dragon, e deverão voltar no fim de abril ou início de maio para dar lugar à tripulação da próxima missão. O problema é que, se houver algum problema que atrase o próximo voo da Crew Dragon, a cápsula na órbita pode precisar voltar antes do lançamento da Crew-2.

Se a Crew-1 tiver que voltar para a Terra antes do lançamento da próxima missão, a estação iria ficar somente com cosmonautas a bordo, o que não acontece desde 2000. Por outro lado, a cápsula Starliner, da Boeing, ainda está passando por testes, o que pareceu ter preocupado a agência espacial. Assim, realizar o lançamento com a nave Soyuz é uma forma de garantir a presença de astronautas norte-americanos na ISS, mesmo que uma nave e tripulação dos Estados Unidos sejam obrigados a partir fora do cronograma planejado.

Desta vez, a ideia não é comprar e vender assentos como acontecia antes do programa atual, quando a agência espacial dependia da Rússia para o transporte espacial até a estação: de acordo com os gerentes da NASA, os dois países irão se acomodar entre os acordos para conseguirem manter a presença contínua das suas tripulações na ISS. Assim, a agência norte-americana reservou o assento por meio de um contrato feito com a Axiom Space e, em troca, deverá garantir uma vaga para um astronauta que não seja dos Estados Unidos, que ainda será selecionado pela empresa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: