Mercado fechará em 1 h 6 min
  • BOVESPA

    100.206,66
    -810,30 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.934,15
    -311,71 (-0,82%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,66
    +1,10 (+2,85%)
     
  • OURO

    1.913,10
    +7,40 (+0,39%)
     
  • BTC-USD

    13.686,37
    +579,14 (+4,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    271,50
    +10,21 (+3,91%)
     
  • S&P500

    3.406,22
    +5,25 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    27.623,44
    -61,94 (-0,22%)
     
  • FTSE

    5.728,99
    -63,02 (-1,09%)
     
  • HANG SENG

    24.787,19
    -131,59 (-0,53%)
     
  • NIKKEI

    23.485,80
    -8,54 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    11.592,50
    +100,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6907
    +0,0502 (+0,76%)
     

AstraZeneca suspende testes com vacina após participante apresentar reação grave

Ramon de Souza
·2 minutos de leitura

Dentre as diversas vacinas contra a COVID-19 que estão sendo produzidas ao redor do mundo, uma das mais promissoras é aquela projetada pela Universidade de Oxford em parceria com o conglomerado farmacêutico AstraZeneca. O imunizante, já em testes de fase 3 no Brasil, é um dos mais cotados pelo nosso Ministério da Saúde, que pretende pagar um total de R$ 1,9 bilhão neste produto (incluindo custos de licenciamento e produção local).

Infelizmente, para a decepção de muitos, a AstraZaneca anunciou nesta terça-feira (8) uma suspensão temporária nos testes da vacina após esta causar uma “reação adversa grave” em um dos participantes. A marca anglo-sueca não deu detalhes sobre como foi tal reação (e tampouco o estado de saúde do voluntário), mas garantiu que foi um episódio grave o suficiente para revisar a segurança do medicamento.

“Como parte dos ensaios clínicos randomizados e controlados da vacina contra o coronavírus de Oxford, em andamento, nosso processo padronizado de revisão foi acionado e pausamos voluntariamente a vacinação para que nossos dados de segurança sejam revisados por um comitê independente”, explica a empresa. “Esta é uma ação de rotina que tem que acontecer sempre que há a chance de uma doença inexplicada aparecer em um dos testes. Enquanto isso, ela é investigada, garantindo a integridade dos ensaios”, conclui.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) também já foi notificada da decisão e está “aguardando” mais informações, já que o órgão é o responsável por permitir testes no Brasil. A Fundação Oswaldo Cruz também analisa a situação de perto.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: