Mercado abrirá em 9 h 30 min
  • BOVESPA

    121.241,63
    +892,84 (+0,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.458,02
    +565,74 (+1,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,33
    -0,03 (-0,06%)
     
  • OURO

    1.840,50
    +10,60 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    36.767,33
    -172,27 (-0,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    720,64
    -14,50 (-1,97%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.720,65
    -15,06 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    29.414,58
    +551,81 (+1,91%)
     
  • NIKKEI

    28.607,48
    +365,27 (+1,29%)
     
  • NASDAQ

    12.883,75
    +81,50 (+0,64%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4060
    +0,0107 (+0,17%)
     

AstraZeneca se reúne com Anvisa, mas não define prazo para pedir registro da vacina contra Covid-19

·1 minuto de leitura
.

BRASÍLIA (Reuters) - Representantes do laboratório AstraZeneca reuniram-se nesta terça-feira com integrantes da Anvisa para discutir informações acerca do andamento dos estudos clínicos com a vacina da britânica em parceria com a Universidade de Oxford contra Covid-19, mas até o momento não foi estipulado prazo para o pedido de registro do imunizante no órgão regulador brasileiro.

"A Anvisa realizou reunião com a empresa AstraZeneca com o objetivo de discutir informações sobre o andamento dos estudos clínicos da Vacina de Oxford", informou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária em comunicado.

"Nessa reunião, foram discutidos os dados obtidos até o momento. A empresa tem submetido documentos para avaliação do registro da vacina por meio do procedimento de submissão contínua e não definiu prazo para submissão do pedido de registro junto à Anvisa", acrescentou a Anvisa.

A vacina AstraZeneca/Oxford --cuja eficácia de 90% contra o coronavírus numa determinada dosagem foi anunciada na segunda-feira-- é a principal aposta do governo brasileiro para fazer uma vacinação em massa contra o Covid-19 no país.

O Ministério da Saúde tem um acordo com a farmacêutica para adquirir as doses da vacina e para a produção dela no Brasil pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). A expectativa é que o imunizante esteja disponível no país em março de 2021 e que possa ao longo do próximo ano ser possível vacinar 130 milhões de pessoas.

(Reportagem de Ricardo Brito)