Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,75
    +0,32 (+0,52%)
     
  • OURO

    1.788,00
    +6,00 (+0,34%)
     
  • BTC-USD

    49.248,39
    -5.156,93 (-9,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.105,23
    -137,82 (-11,09%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.998,33
    +242,99 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.961,78
    -226,39 (-0,78%)
     
  • NASDAQ

    13.768,00
    +17,75 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5450
    +0,0034 (+0,05%)
     

AstraZeneca pode ter incluído dados "desatualizados" em testes nos EUA, afirma agência

·2 minuto de leitura
(Arquivo) O Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas (NIAID) afirmou que a AstraZeneca pode ter incluído dados "desatualizados" em seus testes clínicos nos Estados Unidos

O laboratório AstraZeneca pode ter incluído dados "desatualizados" em seus testes clínicos nos Estados Unidos sobre a vacina contra a covid-19, afirmou uma agência reguladora de saúde americana, que citou um grupo de especialistas independentes.

O grupo expressou "preocupação com o fato de que a AstraZeneca pode ter incluído informações desatualizadas no teste, o que pode ter fornecido uma visão incompleta dos dados de eficácia" da vacina, afirma o Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas (NIAID) em um comunicado publicado na segunda-feira à noite.

"Nós instamos a empresa a trabalhar com o DSMB (Conselho de Monitoramento de Dados e Segurança, um grupo de especialistas independentes que revisa os testes clínicos) para revisar os dados de eficácia e garantir que os dados de eficácia mais precisos e atualizados serão tornados públicos o mais rápido possível", completa a nota.

O comunicado foi divulgado depois que a AstraZeneca anunciou na segunda-feira que testes em mais de 32.000 pessoas nos Estados Unidos mostraram que a vacina tem eficácia de 79% para prevenir a covid-19 sintomática na população e de 100% para evitar as formas graves da doença e a hospitalização, além de garantir que não aumenta o risco de coágulos no sangue.

A vacina da AstraZeneca contra o coronavírus é mais barata e fácil de armazenar que outros, mas vários países suspenderam temporariamente na semana passada a aplicação do fármaco devido aos casos isolados de coágulos sanguíneos registrados em algumas pessoas que receberam a vacina.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) a considerou "segura e eficaz" e a vacina voltou a ser administrada em vários países.

Mas a desconfiança persiste e uma pesquisa do instituto YouGov, realizada entre 12 e 18 de março, mostrou que a maioria dos entrevistados nos principais países europeus - incluindo Alemanha, França, Espanha e Itália - têm dúvidas sobre a segurança da vacina da AstraZeneca.

oho/axn/mis-bl/fp