Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.312,57
    +2.009,45 (+5,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

AstraZeneca: intervalo longo entre doses amplia resposta imune em até 18 vezes

·1 minuto de leitura

Nesta segunda (28), a Universidade de Oxford (Reino Unido) apontou que tomar uma terceira dose de sua vacina — produzida em parceria com a AstraZeneca — com pelo menos seis meses de intervalo em relação à segunda dose pode aumentar a resposta imune em até seis vezes.

Segundo a pesquisa, um intervalo maior entre a primeira e a segunda dose da vacina também pode ampliar a proteção oferecida. Acontece que o grupo notou que um intervalo estendido de 45 semanas (cerca de 11 meses) entre as duas doses aumentou a resposta imune em até 18 vezes. O intervalo maior mostra que uma demora na aplicação não afeta o efeito da vacina no corpo.

Mas mesmo com esses dados, os pesquisadores reiteram que o reforço ainda não se faz necessário, principalmente tendo em vista a escassez de vacinas na maioria dos países.

Terceira dose da AstraZeneca amplia resposta imune em seis vezes, segundo estudo da Universidade de Oxford (Imagem: erika8213/Envato)
Terceira dose da AstraZeneca amplia resposta imune em seis vezes, segundo estudo da Universidade de Oxford (Imagem: erika8213/Envato)

A pesquisa analisou 30 participantes que receberam uma segunda dose tardia da vacina e 90 participantes que receberam uma terceira dose, todos com menos de 55 anos.

Enquanto isso, outro estudo, publicado na revista Nature, mostrou que as vacinas da AstraZeneca e da Pfizer/BioNTech podem desencadear uma resposta imunológica persistente que garantiria uma proteção de longo prazo contra a doença.

Para ler sobre o estudo, acesse a página da Universidade de Oxford.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos