Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,44 (-0,25%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.027,43
    -2.425,94 (-3,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,70 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,43 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,25 (+0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

AstraZeneca e Imperial desenvolvem nova tecnologia de RNA

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A AstraZeneca e uma startup do Imperial College London trabalharão em conjunto para desenvolver uma possível próxima geração da tecnologia de RNA mensageiro para combater o câncer e outras doenças, com oportunidades muito além da Covid-19.

Most Read from Bloomberg

A AstraZeneca fará um investimento “considerável” na empresa, chamada VaxEquity, e fornecerá pagamentos de até US$ 195 milhões, financiando até 26 possíveis medicamentos, disse Robin Shattock, professor que lidera a pesquisa no Imperial, em entrevista. A parceria planeja desenvolver terapias e vacinas, usando uma abordagem conhecida como RNA autoamplificador.

“Recebemos o interesse de outras parceiras farmacêuticas, mas acho que o interessante em termos da AstraZeneca é o interesse mais amplo em explorar essa tecnologia, não apenas no campo de doenças infecciosas”, disse Shattock.

A parceria no Reino Unido, com foco também em áreas como câncer e doenças respiratórias, segue a colaboração da farmacêutica com a Universidade de Oxford para desenvolver uma vacina contra a Covid com uma tecnologia diferente. A vacina de vetor viral da AstraZeneca é amplamente usada no mundo todo. Agora, a Astra quer aproveitar o êxito de empresas como Moderna e Pfizer com a tecnologia de RNAm no desenvolvimento de vacinas contra a Covid.

“Isso poderia ser aplicado em todas as nossas áreas de terapias”, disse Mene Pangalos, responsável por pesquisa biofarmacêutica da AstraZeneca. “É o próximo grande salto com potencial para transformar ainda mais as plataformas de RNAm se conseguirmos fazer com que funcione.”

Aprendendo com a pandemia

O Imperial trabalha com a nova tecnologia de RNA mensageiro, como Pfizer, BioNTech e Moderna, mas com uma característica de autoamplificação destinada a produzir uma resposta imunológica consistente e forte com uma dose muito menor. O Imperial entrou na corrida de vacinas contra a Covid no início de 2020 mas, depois de ficar para trás, a universidade passou a focar em possíveis reforços, protegendo a população contra novas variantes e ameaças futuras.

“O que aprendemos com a atual pandemia é que as abordagens de RNA funcionam e podem ser rápidas”, disse Shattock. “O que o RNA autoamplificador traz para a mesa é que, se pudermos enfrentar o desafio de doses muito baixas, isso mudará completamente a produtividade e aumentará o acesso global.”

A VaxEquity foi fundada em 2020 por Shattock, do Imperial, e Morningside Ventures.

A AstraZeneca não é a única a ver oportunidades. A rival britânica GlaxoSmithKline disse no início do ano que havia iniciado um estudo sobre a Covid-19 em estágio inicial usando tecnologia de RNAm de autoamplificação.

Enquanto isso, a AstraZeneca espera ter resultados nos próximos dois meses de uma possível vacina contra variantes em desenvolvimento com a Oxford, de acordo com Pangalos. “Esta vacina deve dar uma resposta imunológica mais ampla a essas variantes preocupantes”, disse.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos