Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    +456,35 (+0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,92
    -0,75 (-1,20%)
     
  • OURO

    1.778,60
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    55.250,38
    +27,02 (+0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.261,71
    +27,29 (+2,21%)
     
  • S&P500

    4.134,94
    -28,32 (-0,68%)
     
  • DOW JONES

    33.821,30
    -256,33 (-0,75%)
     
  • FTSE

    6.872,80
    +12,93 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.764,00
    -30,25 (-0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6716
    -0,0309 (-0,46%)
     

AstraZeneca atualiza dados e afirma que sua vacina é 76% eficaz

·2 minuto de leitura
Uma dose da vacina anticovid da AstraZeneca

A vacina anticovid da AstraZeneca é 76% eficaz contra as formas sintomáticas da doença, anunciou o laboratório anglo-sueco em comunicado nesta quarta-feira (25), após atualizar dados de um ensaio clínico realizado nos Estados Unidos, Peru e Chile.

Os resultados da "análise primária dos ensaios de fase III [da vacina] nos Estados Unidos confirmaram que (sua) eficácia era consistente" com os dados anunciados na segunda-feira, disse a AstraZeneca em sua nota.

O laboratório também indicou que a eficácia de sua vacina era de 100% na prevenção de casos graves de covid-19, número semelhante ao anunciado anteriormente.

A AstraZeneca se comprometeu na terça-feira a fornecer dados recentes dentro de 48 horas ao regulador dos EUA que supervisiona esses estudos clínicos, que criticou os dados potencialmente "desatualizados" de sua vacina anticovid, anunciada anteriormente tendo 79% de eficácia na prevenção de casos sintomáticos.

Usada por muitos países, incluindo a União Europeia, a vacina desenvolvida pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford ainda não foi aprovada nos Estados Unidos, onde as autoridades solicitaram mais dados sobre os ensaios de fase III conduzidos em seu território.

Após a publicação dos resultados desses testes na segunda-feira, o Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID), que supervisiona os testes clínicos de vacinas nos Estados Unidos, expressou "preocupação" de que o laboratório pudesse ter usado informações desatualizadas em seus ensaios.

Isso poderia, de acordo com o NIAID, levar a uma "estimativa incompleta da eficácia" da vacina.

No âmbito da operação "Warp Speed", lançada na primavera de 2020 pela administração Trump para apoiar o desenvolvimento de uma vacina contra covid-19, um pedido de compra de 300 milhões de doses foi entregue à AstraZeneca, muito mais alto do que os pedidos inicialmente feitos para Pfizer/BioNTech, Moderna ou Johnson & Johnson (100 milhões cada), as três vacinas atualmente licenciadas nos Estados Unidos.

Novos contratos foram feitos a partir daí para que os Estados Unidos recebam doses suficientes das três vacinas para imunizar todos os adultos do país até o final de maio, prometeu o governo do presidente Joe Biden.

Neste mês, vários países suspenderam o uso da vacina AstraZeneca por medo de que ela causasse coágulos sanguíneos, às vezes fatais. Na última quinta-feira, a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) considerou, porém, a vacina "segura e eficaz" e seu uso foi retomado em alguns países.

ft-caw/rle/roc/rs/am