Mercado fechará em 30 mins
  • BOVESPA

    113.836,37
    -1.226,17 (-1,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.192,33
    +377,16 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,62
    +0,01 (+0,01%)
     
  • OURO

    1.755,30
    -39,50 (-2,20%)
     
  • BTC-USD

    47.675,08
    -420,77 (-0,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.224,58
    -8,71 (-0,71%)
     
  • S&P500

    4.477,57
    -3,13 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.801,51
    -12,88 (-0,04%)
     
  • FTSE

    7.027,48
    +10,99 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    24.667,85
    -365,36 (-1,46%)
     
  • NIKKEI

    30.323,34
    -188,37 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    15.523,00
    +19,00 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2048
    +0,0088 (+0,14%)
     

Astrônomos podem ter descoberto como o Sol era na “infância”

·2 minuto de leitura
Astrônomos podem ter descoberto como o Sol era na “infância”
Astrônomos podem ter descoberto como o Sol era na “infância”

Uma imagem da matéria colidindo com a superfície de uma estrela jovem, a melhor registrada até então, pode lançar luz sobre como pode ter sido a aparência do Sol no início de sua vida.

De acordo com um estudo publicado na revista Nature, estrelas recém-nascidas são rodeadas por um disco de gás e poeira do qual surgem planetas, asteroides, cometas e luas. “O campo magnético da estrela a conecta com esse disco protoplanetário, canalizando material do disco para a estrela”, disse a autora principal do estudo, Catherine Espaillat, astrofísica da Universidade de Boston, ao Space.com.

Manchas escuras no Sol revelam áreas de temperatura mais fria. Imagem: Tuntekron Petsajun – Shutterstock
Manchas escuras no Sol revelam áreas de temperatura mais fria. Imagem: Tuntekron Petsajun – Shutterstock

Espaillat e seus colegas investigaram o local da estrela onde seu campo magnético deposita material de disco protoplanetário. “Essa pegada é chamada de ‘ponto quente’, pois o material fica muito quente quando atinge a superfície da estrela”, explicou ela.

Estudo foi realizado graças à atuação conjunta de diversos observatórios

Os cientistas se concentraram na GM Aurigae, uma estrela com aproximadamente a mesma massa do Sol, localizada a cerca de 420 anos-luz de distância, na constelação de Auriga. A GM Aurigae tem apenas cerca de 2 milhões de anos – em comparação, o Sol tem cerca de 4,6 bilhões de anos.

Nenhum trabalho anterior conseguiu obter uma imagem mais clara da estrutura e da dinâmica desses pontos críticos. No novo estudo, os pesquisadores analisam GM Aurigae com vários observatórios – os telescópios espaciais Hubble, Swift e TESS, bem como o Small and Moderate Aperture Research Telescope System, no Chile, o Lowell Discovery Telescope, no Arizona, e a rede global Las Cumbres Observatory de telescópios.

Leia mais:

“Esta é a primeira vez que um estudo coordenado por tempo tão extenso foi feito em uma jovem estrela”, disse Espaillat.

Segundo descobriram os cientistas, a luz visível do GM Aurigae atingiu um pico de brilho cerca de um dia após a luz ultravioleta. Eles sugeriram que isso aconteceu porque a fonte da luz visível e ultravioleta entrou e saiu do campo de visão enquanto girava junto com a estrela.

Manchas escuras do Sol são áreas mais frias

Quando combinados com simulações computadorizadas de acúmulo de matéria nas estrelas, essas descobertas sugerem que o ponto quente varia em densidade do centro à borda na superfície da estrela. As áreas do ponto quente com densidades diferentes têm temperaturas diferentes e, portanto, emitem comprimentos de onda de luz diferentes.

“Pela primeira vez, mapeamos a estrutura nesse ponto quente usando observações e confirmamos as previsões teóricas”, afirmou Espaillat. “Esse resultado nos ensina mais sobre como era nosso Sol quando era jovem. Agora, nosso Sol tem manchas solares, áreas escuras onde a temperatura na superfície é mais fria. Quando nosso sol era jovem, ele também tinha pontos quentes”.

Mais detalhes sobre esses pontos quentes poderão ser analisados em pesquisas futuras sobre a GM Aurigae e outras estrelas.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos