Mercado fechará em 1 h 35 min
  • BOVESPA

    107.069,56
    -1.872,12 (-1,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.099,79
    -1.499,59 (-2,91%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,25
    -2,89 (-3,39%)
     
  • OURO

    1.834,80
    +3,00 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    34.463,08
    -856,96 (-2,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    777,45
    -33,15 (-4,09%)
     
  • S&P500

    4.223,12
    -174,82 (-3,98%)
     
  • DOW JONES

    33.155,19
    -1.110,18 (-3,24%)
     
  • FTSE

    7.297,15
    -196,98 (-2,63%)
     
  • HANG SENG

    24.656,46
    -309,09 (-1,24%)
     
  • NIKKEI

    27.588,37
    +66,11 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    13.759,25
    -667,25 (-4,63%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2412
    +0,0512 (+0,83%)
     

Astrônomos identificam 75 mil buracos negros supermassivos em centros galácticos

·2 min de leitura

Cerca de 75 mil centros galácticos ativos — buracos negros supermassivos se alimentando de matéria — foram identificados em uma nova técnica. Os autores da pesquisa usaram mapas 3D de galáxias em algumas partes específicas do céu, criados por cientistas australianos.

Como ver um buraco negro supermassivo

Quando um buraco supermassivo no centro de uma galáxia se alimenta de nuvens de gás e poeira, ou mesmo de uma estrela, parte da matéria é acelerada e começa a girar em torno do objeto em alta velocidade, formando o disco de acreção. Em muitos casos, o campo magnético do buraco negro cria jatos relativísticos com parte dessa matéria.

Todo esse processo libera muita energia, por isso muitos buracos negros podem ser detectados, mesmo sendo invisíveis. Tecnicamente, eles não emitem radiação, mas transformam seus alimentos em verdadeiras “sopas” de plasma superaquecido e brilhante.

Quasares são um tipo de centro galáctico ativo (Imagem: Reprodução/ESO/M. Kornmesser)
Quasares são um tipo de centro galáctico ativo (Imagem: Reprodução/ESO/M. Kornmesser)

Esse brilho, no entanto, aparece apenas em algumas faixas específicas do espectro eletromagnético, muitas vezes em ondas de rádio. Por isso, quando esse processo ocorre em um buraco negro supermassivo no centro de uma galáxia, os cientistas a chamam de “radiogaláxia”.

Para encontrar essas emissões, os cientistas usam instrumentos que “enxergam” ondas de rádio, mas nem sempre funciona. É que alguns centros galácticos ativos também emitem radiação em outros comprimentos de onda, como raios-X — às vezes sem nenhuma emissão em rádio.

Técnica detecta centros galácticos ativos

Os autores do novo estudo criaram um método para identificar as galáxias que possuem um centro ativo, ou seja, um buraco negro supermassivo central se alimentando de matéria. Para isso, eles recorreram aos mapas 3D criados por astrônomos australianos, que abrangem 11 bilhões de anos-luz.

Foram identificadas nesses mapas 700 mil galáxias, e mais de 75 mil delas possuem núcleo ativo. Eles usaram a distribuição de energia espectral, que é o brilho relativo de uma galáxia em diferentes partes do espectro eletromagnético. De acordo com o comunicado dos autores, esses dados podem ser usados para medir quantas estrelas existem em uma galáxia ou sua idade, por exemplo.

Esse resultado ainda não é definitivo — a equipe precisa se certificar de que todos os centros galácticos ativos foram identificados nos 11 bilhões de anos-luz abrangidos pelos mapas. Uma vez que isso for concretizado, os astrônomos poderão compreender melhor como os buracos negros centrais influenciam a evolução e até mesmo contribuem para o fim da formação de estrelas nas galáxias.

O estudo foi publicado no Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos